Deb DeMure podia ser um arlequim mas é, Deb podia ser um homem mas é, podia ser uma menina saída de um conto visual de terror ou de uma dimensão paralela de Stranger Things e é. Andrew Clinco podia ter sido apenas Deb DeMure, mas isso não seria bem a mesma coisa. Deb DeMure podia ter escolhido ser Drab Majesty e escolheu… e ainda bem. A personagem da personagem da identidade de DeMure podia ser uma personagem andróide de luz e energia espiritual que liga os crentes a um força sintética e divina interestrelar… bom, isso não sabemos se é mas que a aura anda lá, isso é inegável.

A entidade andrógina da mítica cidade dos anjos na Califórnia foi pela primeira vez identificada pelos radares das bases venusianas escondidas no interior da Terra em 2012 aquando do lançamento da sua primeira cassete. Unarian Dances é lançada de forma independente sem recurso a labels pelo próprio ser ambíguo de género e de identidade. Três anos volvidos, assina pela Dais Records e o disco de estreia, Careless, ganha um lugar especial no underground graças ao amor dos fãs e aos aplausos da crítica especializada. A edição original de Careless é hoje um valioso item de colecção.

Canalizando influências, todas elas poucos luminosas mas de alguma forma luminescentes e quentes como uma luz divina, Drab Majesty tece malhas sonoras que tanto estabelece pontes para alguns dos mais emblemáticos símbolos basilares da 4AD como os Cocteau Twins, His Name Is Alive ou os discos de Clan Of Xymox na mítica editora, como se aninha no mesmo ventre especial e espacial onde encontramos os Cold Cave, TR/ST, Soft Moon, Ritual Howls ou os Xeno & Oaklander. Pelo caminho, os ecos das lendas escritas por Ian McCullough para os Echo & The Bunnymen ou de Mark Burgess para os The Chameleons ecoam da mesma forma que mantras fazem a ligação entre o concreto e a luz suprema, a mesma luz suprema que Deb afirma ser a sua fonte de inspiração colocando-se no papel de receptáculo das ideias e melodias de seres ou de um ser extraterreno ou espiritual que dão forma a um conceito que vai além da simples criação musical. Nas palavras de Deb DeMure, Drab Majesty it’s a methodical experiment in the identity of creativity.

Com o sucessor de Careless ainda fresco na crosta terrestre, The Demonstration saiu a 20 de Janeiro novamente pela Dais Records e recebemos pela primeira vez a visita de sua majestade, rainha de sombras e rei de beleza infinita, Drab Majesty em Portugal. Os concertos anunciados ontem estão inseridos numa gigantesca tour europeia que começa em Londres dentro de 3 dias e termina apenas nos palcos do Wave Gotik Treffen em inicio de Julho. As datas nacionais estão definidas para 13 e 14 de Maio em Porto e Lisboa. As salas que recebem a majestosa magia negra de synth e guitarras de filigrana são o Hard Club e o Sabotage Club respectivamente. Os portugueses She Pleasure Herself que lançaram em Janeiro deste ano o disco de estreia intitulado Fetish, são a banda escolhida para a abertura do concerto de Lisboa papel que repetem na data madrilena na noite de dia 12. Fetish pode ser escutado na íntegra aqui.

Para relembrar ou redescobrir, fica na íntegra The Demonstration e o mais recente vídeo para “Too Soon To Tell”. Façam a vénia a sua majestade.

Drab Majesty European Demonstrations Tour 2017

Drab Majesty European Demonstrations Tour 2017