Pintar canções rock de minimalismo sem as tornar num objecto de difícil ou mais complicada degustação não é tarefa para muitos. Mas elas fazem e fazem com a naturalidade de quem sofre do síndrome do rock cru dos primeiros passos de Polly Jean Harvey e da construção angular e directa das (tão bem) regressadas Babes In Toyland mas sem a demência de Kat e amigas. Mas fica a pergunta no ar… onde se esconde o algo mais da suecas Pale Honey? Esconde-se em frente aos nossos olhos em detalhes que transformam fúrias semi-controladamente anti-pop e linhas de synth que podiam ter sido escritas para um qualquer disco de Hot Chip ou LCD Soundsystem em canções maduras e uns passos à frente na escala da evolução da espécie. Ah pois é, parece que não faz sentido, não é?!  Mas faz e é o novo single do duo de Gothemburg, “Youth”, que nos é explicado assim por Tuva Lodmark (guitarras / voz) e Nelly Daltrey (bateria):

The playful guitar riff set the pace for the drums and the vibe was clear to us – the laid back sound gave the feeling of controlled coolness, which we later wanted to match the lyrics with. We recorded the song in Paris with our producer Anders Lagerfors and from there the song grew into the more wild, attitude-filled song, still keeping the simple playfulness. (…) the lyrics are about letting go, getting over things and just keep going with your head held up high and starting to earn your bruises.”

“Youth” abre caminho para o auto-intitulado disco de estreia que sai em Maio e marca a diferença no som em relação ao primeiro EP da banda, Fiction, lançado em 2014 do qual podem ver também em baixo o video para “Fish”

alec peterson sig