Tão grandiosa, tão majestosa e magnânime, tão quente e vibrante, tão irremediavelmente viciante e aditiva quanto a indie pop conseguirá alguma vez ser. O epítome de todas as características mais belas de um rótulo sonoro nem sempre bem compreendido, muitas vezes mal interpretado e quase sempre alvo de ouvidos receosos e preconceituosos, o lado bom da barricada, a relva mais verde do lado de cá, uma eterna capicua. Cape Cub – nascido com a graça de Chad Male -, percorre o caminho interrompido de uns Bastille que se perderam algures depois de se terem cruzado com uns Crystal Fighters numa esquina qualquer a beber um copo na zona costeira de Marske-By-The-Sea. E se de lá herda a pronúncia do norte da ilha Britânica, o cinzentismo ficou, certamente, órfão e abandonado nas margens do Mar do Norte.

6am, o segundo EP e o sucessor de o Closer com que Chad se aventurou em águas claramente mais brilhantes e cintilantes sob céus de azul ainda mais intenso e interminável do que daqueles que o viu crescer, produziu já um conjunto imenso de temas e uma belíssima jornada sonora para bailaricos eufóricos com o fresco orvalhado da areia matinal a saltitar por entre os dedos dos pés. Depois de “All I Need“, o tema mais madrugador de 6am, é agora “Lifeline” que enche de pompa uma linha melódica banhada a riffs de guitarra recheados de eco e composta por uma miríade caleidoscópica de adrenalina e corcom os seus refrões maiores que a vida. Tão maiores que a vida. Um verdadeiro bálsamo instantâneo exorcizante de más vibrações para alma e um compêndio lírico de como sair sempre por cima de cabeça erguida de situações menos felizes. E não é que funciona mesmo?

Tanta promessa neste 6am, que deve estar aí para chegar. E nós estaremos na primeira fila para o agarrar. Não deixem de ouvir também a enorme “Lantern“.