É fantástico como uma piada gozona revolucionou o mundo da música de uma maneira tão impactante. Pouco tempo depois de assistir a um concerto dos Cocteau Twins na televisão, Rudy Tambala conhece uma amiga de Alex Ayuli, que lhe pergunta como é que eles se conheceram ao que Rudy responde algo como: “Temos uma banda juntos” em jeito de piada. Depois, é abordado por outra questão que abordava o género da banda. Surgiu como resposta: “Um pouco como Velvet Underground, como Cocteau Twins, como Miles Davis ou até Joni Mitchell.” Aquilo que era inicialmente uma piada, tornou-se algo sério. Tão sério que formou um duo pioneiro no dream pop e no shoegaze; um espremido alongar da música psicadélica, o “wall of sound” levado ao extremo. Assim se formaram os A.R. Kane.

O projecto de Alex e Rudy tinha a essência perfeita, no entanto nunca obtiveram um grande sucesso comercial. O grande impacto dos A.R. Kane fez-se ecoar musicalmente, em bandas que o duo influenciou como Slowdive e My Bloody Valentine que, estranhamente, obtiveram mais sucesso mediático.

Depois de oito anos de música, três álbuns e vários EPs, Tambala passa a criar música ambiental com a sua irmã Maggie Tambala sob o nome de Sufi ficando o colectivo A.R. Kane em hiato… até agora.

Em 2015, A.R. Kane voltam a alguns palcos, com Rudy, Maggie e um novo colaborador: Andy Taylor. Três vozes, três guitarras, alguns beats e muito, muito reverb. Em 2016, depois da sua confirmação no festival Primavera Sound 2016, marcaram mais concertos para o presente ano, incluindo alguns festivais de verão. Alegam que os fãs podem aguardar os seus temas clássicos, bem como algumas músicas novas. Para além disso, afirmam que vão gravar novo material, ainda e sempre do género dream pop.
Confessemos, por vezes regressos de bandas históricas assustam, contudo, a paixão do grupo é inabalável e temos uma clara garantia de qualidade e competência no que toca a este regresso. A vanguarda dos A.R. Kane deixou pegadas gigantes no panorama da música actual e não duvidamos que o caminho que continuarão terá um impacto semelhante.

We are still firmly entrenched in dreampop; from psychedelic folk to trip hop, from shoegaze to electronica, dub and experimental noise … we are focused on live performance more than ever before.