Descendo de uma qualquer dimensão claramente mais negra e possivelmente mais ocupada que a nossa, os Memnon Sa trouxeram consigo Citadel em 2015 e prometem Lemurian Dawn para setembro com o carimbo Aurora Borealis, editora de culto que editou já álbuns de Jesu e The Haxan Cloak, com a colaboração do engenheiro de som Dave Cooley, que assume quase um estatuto lendário na sua área ao ter trabalho com artistas como FlyLo, o imortal J Dilla e Animal Collective. A banda larga agora do alto do seu cosmos “Healing Chamber”, a primeira brisa de um disco que promete incorporar um tornado sónico.

Com um carácter transdimensional, Citadel faz uma abordagem séria e pessoal ao drone enquanto construtor de ambientes numa arquitectura espacial através de uma ferramenta de rotura das noções de tempo. Os Memnon Sa apresentaram-se como uma banda em máxima potência, com arestas por limar, mas com um cerne forte e conciso, reunindo eficazmente elementos típicos de algumas das suas referências e de alguns géneros como o shoegaze, o ambient, o drone e o rock psicadélico na sua vertente mais contemplativa e aglutinando-nos numa mesma esfera, na qual acabaram por ganhar uma individualidade de uma forma activa e ponderada.

“Healing Chamber”, aquilo que já conhecemos de Lemurian Dawn, é a prova de uma evolução de maturidade musical astronómica. Esta é uma faixa completamente equilibrada e com uma estrutura que funciona; a influência de Gottsching, Schulze e Popul Vuh traz para a composição sintetizadores que constituem um acrescento expressivo e altamente entusiasmante ao ambiente geral quando comparado com “Citadel”. Este crescimento fantástico e ambicioso culmina numa música ainda negra, com uma estrutura krautrock e com influência da electrónica dos anos 70 como a banda sonora de Stalker e Solaris, filmes do mítico realizador Andrei Tarkovsky.

“Healing Chamber” constrói uma sensação sinestésica e projecta na retina ambientes e edifícios, retratos e histórias numa experiência simples mas transcendente e quase espiritual, deixando no ar uma grande expectativa pela chegada do disco e uma grande fome de provar ao vivo.