Depois da tumultuosa e confusa separação e do inevitável desmembramento dos Crystal Castles que fez incendiar a indústria musical, Alice Glass lançou a primeira semente de um projecto a solo em 2015 com o seu single de estreia “Stillbirth”, escassos meses após ter saído da banda que liderou durante quase uma década. Apesar dessa cisão com o projecto com quem deu a volta ao mundo em digressão, o tema continha uma muito evocativa reminiscência do electro punk dos Crystal Castles, apesar de conter um tom menos post industrial que deixou para trás uma vocalizacão robótica e sintetizada, deixando antever a clareza e singularidade das suas capacidades como frontwoman.

Desde a dissidência e a libertação do ex-parceiro Ethan Kath, e a par com a bem sucedida colaboração com Keyes – ex-HEALTH -, após um interlúdio de dois anos, Alice Glass volta a acelerar os corações dos mais devotos da antiga metade dos Crystal Castles e surpreende com um novo vídeo e nova música. “Whithout Love” soa muito diferente dos tons rudes e industriais de “StillBirth”, evocando de certa maneira o electro pop cuidado de Grimes. Com um vídeo visualmente apurado e a letra a resgatar uma ainda não curada relação abusiva – “‘How are you gonna lie about me now?” -, Glass retorna da toca do coelho do País das Maravilhas com um conto sobre o estatuto da invisibilidade, do abuso e co-dependência por onde outrora andou perdida e ao qual não pretende voltar.

A melancolia e pureza suave deste novo universo pop poderá, de certa maneira, estranhar-se numa persona a quem o lado mais negro foi sempre a imagem de marca, mas a convergência que se prevê do seu renascimento parece um óptimo sinal para o álbum que se avizinha e que, apesar de ainda não ter título nem data de lançamento oficializada, será editado pela Loma Vista.