Prestes a se apresentarem em Portugal, os Hercules and Love Affair trazem para terras lusitanas um concerto parte da sua digressão europeia para divulgação do novo álbum do projeto, Omnion, com lançamento programado para Setembro, este que será o quarto disco do grupo, criado e liderado pelo DJ e produtor americano Andy Butler.

Com uma discografia um tanto irregular até agora, os Hercules and Love Affair talvez tenham sofrido um pouco com o facto de teren feito uma estreia empolgante com o debut homónimo, de 2008. Contando com vocalistas convidados – Antony Hegarty, entre eles -, o disco foi produzido pelo próprio Butler e pelo DJ e produtor inglês Tim Goldsworthy, que inclui colaborações com U.N.K.L.E., LCD Soundsystem, Cut Copy e Rapture no currículo, e traz Hegarty cantando em cinco das dez faixas; entre elas o soul sintético “Time Will”, a percussiva e sussurrada “Easy”, “Raise Me Up” (em que os vocais foram soterrados na mixagem em favor do baixo galopante e da bateria disco) e o hit “Blind” – cheia de gemidos, trompetes e euforia.

Outras canções de destaque são a house de refrão grudento “You Belong”, “Iris” (algo Andrea True Connection) e ainda o baixo formidável de “Athene”, os metais de “This Is My Love” e as totalmente setentistas “Hercules Theme” (instrumental) e “True False/Fake Real”. Num dos melhores discos de dance/eletrónica de 2008, pouca gente veio com uma coisa tão divertida naquele ano.

Apesar de dançante, o melancólico álbum seguinte (como evidencia o título) Blue Songs, de 2010, continua a saga de Butler através dos beats e synths oitentistas ligados diretamente ao synthpop e à house music, mas sem o brilho pop do disco anterior e sem a participação de Antony Hegarty. Ainda assim, é um trabalho apreciável, com bons singles como “My House”, “Painted Eyes” e a participação de Kele Okereke, dos Bloc Party, em “Step Up”.

The Feast Of The Broken Heart, o terceiro álbum (2014), traz de novo vários vocalistas convidados que, segundo Butler disse à época, formaram “(…) o melhor conjunto de cantores que já tive”. Com produção impecável e grandes canções como “I Try To Talk To You” (com a voz reconhecível à quilômetros de John Grant), “Do You Feel The Same?” (vocais do belga Gustaph e um bassline agressivo com timbres de TB-303) e a Chicago house clássica de “My Offence”. Ao contrário dos dois discos anteriores, The Feast Of The Broken Hear não usou instrumentos “orgânicos”, como metais e cordas, deixando um pouco de lado a porção disco de seu som.

 

O próximo trabalho do Hercules, Omnion, traz onze canções e trata de tolerância e fé, conforme comunicado. Duas amostras já saíram: o ótimo dance pop de “Controller” e a contemplativa faixa título  com Sharon Van Etten na voz. O que parece certo é que, mais ou menos dançante, é pouco provável que Andy Butler decepcione. Com um concerto único, o concerto dos Hercules and Love Affair acontecerá no Lux, em Lisboa, no dia 17 de Novembro.