Os brasileiros BIKE apanharam a vaga psicadélica e soalheira com epicentro no Hemisfério Sul, tanto na Goiânia dos seus compatriotas Boogarins como do universo hipnótico e sonhador da Perth dos Tame Impala e dos POND, e trouxeram a Lisboa as melodias caleidoscópicas dos seus dois registos de estúdio – 1943 de 2015 e Em Busca da Viagem Eterna deste ano -, pintando as paredes negras do Musicbox de tonalidades multicolores em finais de maio.

O rock brasileiro contemporâneo de contornos psicadélicos está em altas e os BIKE não perderam a onda na qual surfa o melhor que se vem fazendo do género um pouco por todo o mundo mas em especial, e como não se estranha, nas linhas longitudinais próximas dos trópicos. Aqui o registo fotográfico dessa noite.

Lê tambémDossiê psicodélico: quatro bandas brasileiras falam sobre música para provocar os sentidos