A manhã de sexta-feira passada acordou em sobressalto com as palavras de Björk nas suas redes sociais onde se confessava tão ansiosa em mostrar ao mundo a primeira das suas visões sonoras que fará parte do sucessor de Vulnicura – disco de 2014 que reflectia e era profundamente influenciado pelo processo de separação da islandesa do seu companheiro Matthew Barney -, que iria adiantar para o ponto exacto em que o dia acabava e outro começava, a disponibilização de “The Gate”, anunciado previamente apenas para o dia de hoje depois do vídeo ser exibido em parceria com a Nowness em Londres durante o fim-de-semana inserido num evento especial que decorreria ao longo dos dois dias. A mesma Nowness teria o privilégio de fazer a estreia online do vídeo realizado por Andrew Thomas Huang.

E assim foi. Hoje de manhã é dada continuidade ao processo de abertura do portal que devolve Björk aos discos através daquilo que vem sendo predicado essencial em toda a sua carreira – o elemento visual sublime e vanguardista. Com a direcção criativa a cargo de James Merry, Alessandro Michele – designer da casa Gucci -, e da própria Björk, “The Game” é mais um poderoso manifesto estético que ilustra o seu espaço interior, de um ser de luz para outro, onde acrescenta imagens a um texto de apologia humanista, de amor universal, ou parafraseando Björk, amor in a spiritual way, for lack of a better word.

O disco já se avista no horizonte estando programado para Novembro e carregando o título de Utopia, e apela precisamente para a materialização da temática envolvente ao disco e ao primeiro tema. As informações foram dadas por Björk numa entrevista ao vivo no Facebook, entrevista partilhada com Huang, que podem ver na íntegra em baixo, bem como breve making of do vestido usado no vídeo.

Lê também: Já se pode ouvir “The Gate”, o novo tema de Björk que abre os portões ao novo disco

O realizador que tinha já dado movimento aos sons e palavras das compositora islandesa em alguns dos vídeos de Vulnicura e comentou desta forma o trabalho.

The Gate” picks up where 2015’s Vulnicura left off. It is the first glimpse into Björk’s utopia. The doorway lies within the wound from Vulnicura, which now appears transformed into a prismatic portal channeled between the chests of two lovers. Not lovers in the quotidian romantic sense, but in a broader cosmological way. As a throughway into Bjork’s new album, The Gate is a declaration of hope sung by a woman refracted and re-formed into a luminous whole.

I am especially proud of this film as I feel it is a culmination of my five-year collaboration with Björk and James Merry. It’s been such a nourishing three-way relationship and this film is the perfect synthesis of our brains and our hearts. Having Alessandro Michele’s design as the centerpiece in this film is a dream. – @Nowness

Björk está oficialmente de volta – o vídeo para “The Gate” agora e Utopia em Novembro pela One Little Indian.

Björk and Andrew Thomas Huang in conversation with Jefferson Hack

NOW: Björk and friends discuss the creative process behind her new music video ‘The Gate’, premiering Monday on NOWNESS

Publicado por NOWNESS em Sexta, 15 de setembro de 2017