A dor é quase sempre a grande catalisadora de todas as formas de arte. E é bastante comum um trabalho discográfico ser uma resposta catártica e transcendental a momentos de perda na carreia de um artista. And Then Like Lions, o novo álbum dos Blind Pilot é, como tantos outros, tão somente e tão simplesmente isso. Como se isso não bastasse. Mas basta.

Era mesmo deles que sentíamos já a falta. E vêm, menos campestres, mais bem vestidinhos de instrumentos que não se resumem já a um som fundamentalmente acústico como dantes, embora mantenham intocável a sua veia orgânica. Mas os Blind Pilot sempre souberam e continuam a saber trazer nas suas asas o cheiro quente a flores e a campo, um cheiro inspirador, edificante e invasor de esperança.

Israel Nebeker, guitarrista da banda norte-americana, compôs o disco no decurso de 3 longos anos que testemunharam a morte do seu pai e o corte dos laços de uma relação de 13 anos. Produzido por Tucker Martine (The Decemberists, Neko Case e My Morning Jacket) e remisturado por Peter Katis (The National, Interpol e Kurt Vile), Lions acaba por ser uma colecção de reflexões onde os 10 temas que a compõem espelham a dor e o renascer.

“Umpqua Rushing” foi o primeiro tema composto para Lions e é o primeiro single do novo álbum que voa directo para as plataformas dia 12 de Agosto pela ATO Records.