Blood Red Shoes - Blood Red Shoes
70%Overall Score

O duo inglês volta neste seu homónimo quarto álbum com energia e determinação renovada. Para isso contribuiu o facto de terem vivido num estúdio alugado em Berlim durante todo o tempo de gravação do álbum. Por opção própria sem produtor, engenheiros de som ou pessoal do marketing. Apenas Laura-Mary Carter e Steven Ansell, improvisando e gravando a seu bel-prazer, sem preocupações e sem pressões.

O resultado é um álbum fortíssimo, cru e com uma energia que nos faz querer saltar do computador (ou do banco do comboio, se estivermos a vir do trabalho), e gritar os refrões a plenos pulmões. Sempre mais próximos de um punk/rock alternativo americano do que do indie brit rock da sua terra natal (chegam a roçar mesmo o stoner em algumas músicas), os Blood Red Shoes não se perdem em arranjos instrumentais. Guitarras, bateria e vozes são o suficiente para encher qualquer sistema de som (hi-fi, mp4 ou smartphone). A voz característica de Laura-Mary sempre a transbordar emoções, quer sejam elas de raiva ou de uma sensibilidade contagiante, contrasta com a voz menos memorável de Ansell.

O título homónimo é explicado pelo facto de ter sido gravado, produzido e editado pela própria banda, numa atitude bastante DIY e é o primeiro a ser lançado pela sua editora, Jazz Life. Destaco o single “An Animal”, “Grey Smoke”, “Far Away”, “The Perfect Mess”, “Stranger” e “Cigarettes In The Dark”.

Este é, sem dúvida, o melhor registo da banda até agora e será certamente um dos melhores álbuns de rock de 2014. Ver este álbum na estrada será um must.