Dizem as esferas mais místicas que sete é o número da perfeição e, partindo do princípio que essa é uma premissa válida, os sete anos que mediaram IRM – o último registo de originais de Charlotte Gainsbourg  editado em 2010 e a que se seguiu, um ano mais tarde Stage Whisper, álbum que reunia algumas canções retiradas das sessões que gravou com Beck -, conduzirão invariavelmente a mais uma novela magnificente onde o romance, a chanson française e ambientes de inclinação electro continuam de mãos dadas a roçar um cenário idílico.

Se Charlotte se tinha já embrenhado em climas dançáveis, embora sempre numa dualidade entre um tom em parte misterioso e em parte jovial, dando continuidade assim à suave tapeçaria electrónica das suas últimas canções, os primeiros dias de Setembro mostravam que essa era uma missão para continuar no novo disco que se anunciava. “Rest”, o tema-título do próximo álbum da franco-britânica, representava uma extensão natural de Stage Whisper, e com ele revelava a não-surpreendente colaboração de Guy-Manuel de Homem-Christo, a metade criativa dos Daft Punk, na composição da faixa, enquanto o seu parceiro de crime Thomas Bangalter se envolvia em Everything Now dos Arcade Fire.

Agora, e alguns dias após o lançamento do segundo tema para o disco, o disco-retro-futurista “Deadly Valentine“, a pulsação acelerada por um baixo abafado e quente e pelas palavras flutuantes e meio sussurradas de Charlotte em “Rest”, destapa no vídeo que lhe traz imagens uma sequência de retratos entrelaçados numa linha de várias quebras, onde coexistem memórias do passado com momentos do presente.

Escrito e co-produzido por Guy-Manuel e com participações de Owen Pallett, Connan Mockasin Paul McCarthney, Rest é editado a 17 de novembro pela Because Music.