Fossem todas as uniões europeias assim harmoniosas e haveria mais paz e equilíbrio por aí. Por nós damos já o poder aos Cristobal And The Sea, colectivo com porto de abrigo no cais de Londres mas com marujos aventureiros de quatro línguas diferentes. Não é de estranhar que logo no arrancar do disco de estreia que sai a 02 de Outubro pela City Slang, se ouçam as palavras “A minha história não acaba aqui. O porquê das coisas não tem fim e sem desperdiçar nem mais um momento vou sonhar contigo e com o vento” na voz de João Seixas, o português que dá voz à banda juntamente com o baixista espanhol Alejandro ‘Ale’ Romero e Leïla Seguin, a menina francesa nascida na Córsega e flautista encantanda. A eles junta-se a bateria de Joshua Oldershaw, o único britânico do projecto que inicia com Sugar Now o caminho marítimo para o mundo todo.

Em Sugar Now, que sucede ao EP de estreia de 2014 Peach Bells produzido por Rusty Santos (Animal Collective, Ariel Pink, DJ Rashad, Grizzly Bear) que agarra novamente o leme da produção do álbum, há bossa-nova, há tropicalia, há folk americano e afro-pop. Há indie-pop e laivos das cantigas de intervenção que tanto fizeram parte dos imaginários portugueses, espanhóis e franceses, não desfazendo claro, no folk psicadélico e interventivo das ilhas.

Hoje lançam o vídeo que serve de apresentação a Sugar Now, “Fish Eye”. Surrealista e quente, vibrante e tropical, o novo vídeo dos Cristobal And The Sea dá forma ao mood psicadélico e africanizado do single colocando a banda num mundo entre os Vampire Weekend e os Crystal Fighters mas com um entidade extremamente bem definida.

Something I like about the “narrative” of the video is how everything just resolves itself and everyone is really happy. People help each other and revive each other and the family just grows. – Elliott Arndt (Realizador)

Como curiosidade fica também “Disquiet”, vídeo retirado de Peach Bells, uma variação alucinada do episódio que juntou Fernando Pessoa e Aleister Crowley na Boca Do Inferno.

alec peterson sig