São sete anos de ausência, tempo mais que suficiente para, à velocidade dos tempos modernos, uma banda ser ultrapassada na memória por uma série de outras imagens sonoras, outros discos, outras febres e outras tendências. Não se pode dizer que os alemães Lali Puna tenham alguma vez provocado uma febre; talvez mais correcto seja dizer que foram mais uma adição subtil, exponenciada através das fragilidades pop e experimentalistas de canções delicadas cozidas de forma fina e elaborada como uma teia de aranha feérica e cibernética, habitante de florestas de gelo e neve que ao mesmo tempo recebem os seus visitantes de forma reconfortante e familiar.

Sete anos de ausência mais tarde, e nada parece ter mudado nessa mesma floresta. E ainda bem. A aranha continua a tecer beats de forma divina e com um balançar tão leve como uma brisa; a velocidade é reduzida a uma dança antiga e os Lali Puna são aquilo que sempre foram no novo tema que antecede o novo disco, Two Windows. “Deep Dream”, a primeira gota de orvalho matinal desde “Mary Maloone” e  “Machines Are Human” produzida com os coreanos Trampauline em 2015 não engana, e vem dos campos do subconsciente e dos encantamentos onde a voz de Valerie Trebeljahr encontra refúgio nas ondas sonoras plácidas de Markus Acher, Christoph Brandner e Christian Heiß. Quando o etéreo convida a dançar sozinho nas fronteiras dos mundos, isso é os Lali Puna.

O novo disco sai em setembro pela Morr Music, mas por agora a banda avança já com um novo vídeo realizado pelos próprios Christian Heiß e Valerie Trebeljahr com a ajuda de Jacqueline Hofer. Em baixo “Deep Dream” e a recordação do single com os Trampauline.