Em abril passado, em mês do Ogum, Kele Okereke levantou um pouco daquilo que seria a primeira visão profunda sobre os novos caminhos serenos e despidos com que iria cobrir uma nova fase da sua carreira. Em paralelo ao trajecto com a nova formação dos Bloc Party, e colocando o seu apelido como assinatura – ao contrário dos três anteriores trabalhos a solo Trick de 2014 e The Boxer de 2010, mais o EP The Hunter de 2011, Kele apresentava “Yemaya”, uma ode à senhora dos mares, um dos orixás das religiões afro-brasileiras, surpreendendo pelo desligar de todos os elementos electrónicos que até aí delineavam a sua obra fora dos Bloc. Kele criava assim paisagens absolutamente longínquas do som dos Party para se conectar com um lado mais folk e terreno, apesar da ligação ao místico que o título e o conceito da música desvendava.

O caminho ganha agora formas mais concretas e também um destino final com a revelação do segundo tema daquele que será o novo longa-duração de Kele Okereke e que se chamará Fatherland. O disco é oficialmente apresentado por “Streets Been Talkin”, mais uma canção tão nua como imponente, revestida dos predicados que já definiam “Yemaya”: a leveza quase matinal das linhas melódicas e dos sopros firmes da voz de Kele, o dedilhar da guitarra acústica, as finas paredes de violinos que desenham paisagens introspectivas. “Streets Been Talkin'” é um sussurro, uma canção de embalar à qual não é de todo alheio o novo papel de pai de Kele e do seu companheiro.

Lê também: Kele Okereke renuncia às texturas electrónicas e penetra nas mágicas cordas pagãs de “Yemaya”

Kele confessa sobre “Streets Been Talkin'” e Fatherland:

“Streets Been Talkin” was one of the first tracks I wrote for the album. It’s a bittersweet ode to romance and the passing of time. (…) Writing these songs and expressing these words and feelings, it’s something that’s vital for me. I’m recognising I’m entering into a different part of my life.

I’m fully conscious that this record is probably going to serve as a document for Savannah of the relationship between her fathers and who we were before she came into our lives. It feels important for her to see that we don’t have all the answers but we’re trying.

Fatherland vai contar com a participação de Olly Alexander dos Years & Years e de Corinne Bailey Rae. O disco sai dia 06 de outubro pela BMG.

Fatherland

01. Overture
02. Streets Been Talking
03. You Keep On Whispering His Name
04. Capers
05. Grounds For Resentment (feat. Olly Alexander)
06. Yemaya
07. Do U Right
08. Versions Of Us (feat. Corinne Bailey Rae)
09. Portrait
10. Road To Ibadan
11. Savannah
12. The New Year Party
13. Royal Reign

Kele Okereke - Fatherland

Kele Okereke – Fatherland