Tal qual sugere a tradução do nome, o antes quarteto e agora power-trio nova-iorquino Quicksand – ou areia movediça em boa lusofonia – espécie de divindade do rock alternativo americano, promove em sua sonoridade um verdadeiro passeio por terrenos embebidos de riffs repletos de brutalidade melódica que moldaram definitivamente o post-hardcore praticado na década de 1990.

Capitaneados pelo guitarrista e vocalista Walter Schreifels, figura totêmica que integrou nada menos que os Youth of Today, Gorilla Biscuits e Rival Schools, a formação conta agora com Alan Cage e Sergio Vega, atual baixista do Deftones, depois do guitarrista Tom Capone ter sido preso por furto numa loja em 2017. A enxuta discografia da banda conta com dois pequenos clássicos: Slip, lançado em 1993 e Maniac Compression de 1995. Ambos apontados como divisores de águas entre toda a música independente feita à época graças a letras que discutem a relação entre existencialismo e raiva, assim, na medida. Após um longo hiato, os Quicksand voltaram em 2012 para shows esporádicos, facto que mudou em 2017 com o lançamento do primeiro álbum de inéditos em 22 anos, o belíssimo Interiors. É como se o tempo tivesse parado, e não eles tivessem parado no tempo.

Agora, finalmente o Quicksand desembarca em terras brasileiras em uma mini-turnê que passa por São Paulo no dia 2 de Julho, com abertura dos Eu Serei a Hiena e pelo Rio de Janeiro, com abertura da banda menores atos, no dia seguinte. Ainda restam ingressos para os dois shows/comunhões. Detalhes sobre os ingressos aqui.