Há apenas três dias, Devendra presenteou-nos com “Middle Names”, maravilhosa música que inaugura Ape in Pink Marble, curioso título do seu nono álbum de estúdio, que sairá já em Setembro. Os nossos dias ficaram, assim, vencedores de mais doçura a acompanhar o pôr-do-sol, pés na relva ou na areia, mas constantemente rendidos a uma melancolia que não descola da pele, como temos sido habituados.

A ode de devaneios dirige-nos para locais de passagem, locais de metamorfoses, mas possibilitando sempre a observação dos espaços, dos tempos, dos humanos, das relações, deixando que os olhos avistem as constelações e a lua, que brilha e brilha, e recordando paixonetas antigas. Meditamos com ele e rendemo-nos sem pensar duas vezes. Sempre brindando ao amor, un amor tán raro, un amor tán claro, un amor derepente, un amor tán diferente, o texano, criado na Venezuela, tem em mãos truques que concedem sempre novos raios de luz às baladas mais cheias de paixão e beijos que, com a sua voz e poesia, jamais ganham pó. E porque o amor conhece vários sujeitos e intervenientes, conta também com a colaboração de Noah Georgeson e Josiah Steinbrick, que já tinham trabalhado em conjunto, em 2013, com Mala, o álbum prévio a Ape in Pink Marble.

Como uma admiradora comenta na faixa partilhada no Youtube: Devendra why are you so Devendra? Não sabemos responder, mas ficamos bem felizes que assim seja.

I pretend when I look in your eyes

Don’t know where you’re going

Don’t come back, please come back tonight

Just about the only thing left is a lie

I wonder where you are

Then I wonder

But I won’t wonder anymore

Nonesuch edita assim Ape in Pink Marble, álbum com 13 faixas:

  1. Middle Names
  2. Good Time
  3. Charlie Jon Lends a Hand
  4. Mara
  5. Fancy Man
  6.  Fig in Leather
  7. Theme for a Taiwanese Woman in Lime Green
  8. Souvenirs
  9. Mourner’s Dance
  10. Saturday Night
  11. Linda
  12. Lucky
  13. Celebration