A já menos de dois meses da 26ª edição do Vodafone Paredes de Coura, o cartaz do festival minhoto preencheu-se hoje com os últimos três nomes do cardápio musical do evento que irá tomar novamente de assalto as margens do Rio Coura em Agosto, estando assim entregues os últimos bilhetes dourados de acesso ao Couraíso.

Os Slowdive não serão os únicos a enredar o anfiteatro natural da Praia Fluvial do Taboão nas malhas de um sonho nebuloso e idílico, lânguido e cambaleante. Às tonalidades atmosféricas e desfocadas dos britânicos, junta-se agora o shoegaze dos nova-iorquinos DIIV, que pegam nos tecidos dreamy dos The Cure e lhes dão um embrulho indie rock de tom mais rasgado com laivos de dreampop, krautrock e post-punk à mistura para dar aquele abanão ocasional ao embalo.

Apenas com dois registos de estúdio editados – Oshin, de 2012 e Is The Is Are, de 2016, sempre pela sua casa-mãe, a Captured Tracks, a banda de  Zachary Cole Smith, que antes de se juntar aos DIIV tinha já passado pelos Beach Fossils, pelos Soft Black e pelos Darwin Deez, desembarca assim na Europa com uma data única em Portugal, depois de ter passado os últimos meses em digressão pelos Estados Unidos e pelo México. Parece que Mac DeMarco vai ter que pôr os seus Met Gala em pausa enquanto Colin Caulfield, o teclista dos DIIV com quem o canadiano criou no mês passado um supergrupo ao lado de Alec Meen dos Homeshake, se passeia pela verdura minhota.

E por falar em Marco, à boleia do último vagão rumo a Coura vem também Young Marco, não uma versão jovem de Mac, mas o heterónimo artístico atrás do qual se esconde Marco Sterk, DJ e produtor holandês que traz nas pontas dos dedos espirais de samples a rodopiar em electrónicas tanto herméticas e underground como desenhadas a word music, de paisagens exóticas e distantes, tropicais e festivas. Longas as noites com Young Marco à frente dos botões. Da discografia, constam diversos EPs e mixtapes a que se juntam um único longa-duração: Biology, editado em 2014.

O último bilhete dourado do Vodafone Paredes de Coura com roupagem de 2018 vai para Lauer, o alemão que pega na linha electrónica de Young Marco e a estica noite adentro. Menos vanguardista mas efervescente em tom dançável, Lauer renegou às suas origens, entaladas num emaranhado de sons entre o hip hop e o funk, para se entregar à electrónica pura dentro dos domínios da house, com a qual a Praia Fluvial do Taboão irá romper a madrugada. De lado fica uma longa lista de projectos colaborativos e pseudónimos sob os quais editou.

De 15 a 18 de Agosto irão passar pelo Vodafone Paredes de Coura Arcade Fire, Skepta, Fleet Foxes,  Jungle,  The Blaze, King Gizzard & The Lizard Wizard, Slowdive, Big Thief, …And You Will Know Us by the Trail of Dead, Yasmine Hamdan, SILVA, The Legendary Tigerman, Dead Combo, Marlon Williams, Linda Martini, Shame, Kevin Morby, Curtis Harding, Myles Sanko, Pussy Riot, Frankie Cosmos, Lucy Dacus, The Mystery Lights, Japanese Breakfast, Imarhan, Dear Telephone, Keep Razors Sharp, X-Wife, Grandfather’s House,  Confidence Man, Ninos du Brasil, Conan Osiris, Fugly, Surma, smartini, Nuno Lopes e Ermo.

Os bilhetes diários estarão disponíveis a partir de amanhã, 20 de Junho, às 10h, por 50€, nos locais habituais. Os passes gerais podem ser adquiridos pelo preço de 100€, com campismo incluído (limitado ao espaço existente). Está também disponível o travel package da Festicket que inclui, para além do passe geral, outras opções de alojamento durante os dias do Vodafone Paredes de Coura.