Nunca ouviram falar dos Dicth Days? Não se preocupem, esse nome vai soar nos vossos ouvidos mais vezes do que imaginam.

Ditch Days é um projecto musical que nasce do desejo de dar forma e cor ao imaginário de Guilherme Correia, José Crespo, Luís Medeiros e Rafael Traquino. Tornar os sonhos realidade é o móbil de todo o ser humano, e estes quatro jovens lisboetas vêem finalmente o seu sonho ganhar fisionomia com o álbum de estreia Liquid Springs que chega às lojas no dia 23 de Setembro com o carimbo da editora Pontiaq. Juntos, escrevem e produzem canções que personificam musicalmente os sentimentos e imagens visuais que pairam na mente deste quarteto. Desde uma toalha estendida numa praia da Califórnia, amores intensos de Verão que consumem a alma e o coração de qualquer adolescente, até um serão de cinema ao ar livre com a nossa cara-metade ou amigos.

As suas canções seguem um registo dreampop do século XXI aliado à influência vintage dos anos 60. Esta combinação tende a funcionar na perfeição, levando o ouvinte a viajar mentalmente numa atmosfera entre o presente e as memórias de épocas passadas, ao som de guitarras espaciais e teclados harmoniosos. Apresentada a ficha técnica de Ditch Days, vamos ao que importa: novidades fresquinhas.

Depois de divulgado o vídeo do primeiro single “Melbourne”, produzido por Miguel Vilhena dos Savanna e masterizado por Xinobi, chega hoje ao panorama nacional a apresentação do segundo single e vídeo “Blue Chords” com o selo da Antena 3 e pelas mãos da Harakiri. O novo vídeo retrata a história amorosa entre um casal, barrado pelo preconceito da homossexualidade e da diferença de idades presente na sociedade e que termina tão intensamente como quando se desencadeou. Temos, nesta relação, uma dualidade de sentimentos: deixar a vida para trás, sem medos e fugir com a cara-metade para Liquid Springs, ou manter-se fiel à vontade de ficar preso ao seu porto seguro, sabendo que isso significa ver o verdadeiro amor partir para sempre.

O amor nem sempre é suficiente e, por vezes, somos atingindos por uma avalanche infinita de blue chords que muda para sempre a maneira como percepcionamos o mundo que nos envolve. No presente, restam apenas as fotografias, símbolos e memórias dos tempos áureos onde o amor venceu, sem nunca supor que um dia este podia enfraquecer e consequentemente morrer.

Deixem-se levar pelo som dreampop melancólico de “Blue Chords” onde as guitarras sincronizadas com o sentimento de perda sentido na voz do vocalista nos transfere rapidamente à perda do nosso primeiro amor. Importante relembrar que os Ditch Days atuam em dois concertos inéditos de apresentação do álbum de estreia no final deste mês. Dia 23 de Setembro no Sabotage, em Lisboa, e dia 30 de Setembro no Plano B, no Porto.