10994259_710046175779142_1713538645645488785_oJá foi revelada a programação para o próximo trimestre (out-dez) do gnration. Da electrónica experimental ao krautrock série-A, são mais três meses em cheio, por parte da sala bracarense e uma mão cheia de ocasiões imperdíveis para os locais e gente dos arredores.

Primeiro, recebemos Sarah Neufeld, a violinista à qual se costuma associar a sua participação nos Arcade Fire; no entanto, começa a surgir em nome próprio como um forte nome da experimentação (fantástico disco com Colin Stetson editado em 2015, Never Were The Way She Wasouçam-no!), e o seu novo trabalho, The Ridge. Ainda com o inseparável violino e com percussão proeminente, aproxima-se de sonoridades mais completas (post-rock da Costellation Records, por exemplo) e acessíveis. Virá apresentar o novo disco no dia 12 de Novembro.

3790e299

Never Were The Way She Was é um maravilhoso disco de colaboração entre Sarah Neufeld e Colin Stetson.

Depois, uma semana dos diabos com Norberto Lobo a 25, e Julianna Barwick a 28 de Novembro. O primeiro, mote de uma ciberneticamente celebrada crítica na revista Wire deste mês, tem novo disco a apresentar; chama-se Muxama e segue a toada dos registos anteriores, próximos da guitarra e da música improvisada, que garantem um concerto único e não necessariamente uma representação fiel do seu disco. Com trabalho novo também nos chega Julianna Barwick e o seu Will, música ambient e etérea, com extenso uso da voz e camadas de repetição nas composições. Já a vimos em 2013, a apresentar o disco anterior, Nepenthe – imperdível!

Para o mês seguinte, duas propostas distintas das anteriores e que reforçam a vontade do gnration em contar com espectáculos diferentes. No dia 3 de Dezembro, André Gonçalves prepara-se para um regresso a Braga, cidade pela qual passou nos últimos tempos: relembramos a colaboração com Alex Zhang Hungtai neste mesmo espaço bracarense, e os concertos com Hans-Joachim Roedelius e outros amigos; além disso, lançou recentemente o trabalho Currents & Riptides e, no ano transacto, a aplicação/composição Música Eterna na App Store (uma música reinventada de cada vez que se toca e, por isso, virtualmente única). Não sabemos ao certo qual o plano para o concerto, mas dará, no mesmo dia, uma masterclass de introdução aos sintetizadores modulares. Será uma pista?

michael-rother-940x411

Michael Rother

E voltando ao formato inaugurado recentemente, temos o Trabalho de Casa, uma iniciativa que promove residências artísticas dentro do edifício do gnration, que desta vez visa os Máquina del Amor, uma super-grupo bracarense cujo único disco foi lançado em Novembro de 2015 – registo muito rítmico e de linhagem krautrock. E já que o mencionamos, não se esqueçam do previamente anunciado Michael Rother, membro dos NEU! e Harmonia, no dia 16 de Outubro. Ah, claro, e o Festival Semibreve, que vai ocupar a blackbox do gnration nas noites de 28 e 29 de Outubro.

Posto isto, será um trimestre bem recheado na cidade de Braga. E tomem esta informação de amigo: há um bilhete geral para todos os concertos (excepto os associados ao Festival Semibreve) com o custo total de 25€. E esgota rápido. Apressem-se!