É talvez, lado a lado com Pure Comedy de Father John Misty, um dos discos do ano com uma maior componente política mas nem por isso os Portugal. The Man descuraram o sentido de melodia nem renegaram à já habitual veia harmónica, seja mais ou menos rebelde, transgressora ou convencional, sempre dentro de uma cerca tendência experimentalista.

Woodstock – o oitavo longa-duração dos Portugal. The Man e aquele que marcou o regresso da banda após quase quatro anos de ausência -, ultrapassou já os dois meses de rodagem, mas continua a produzir motivos de interesse, algo que ajuda a manter, de forma justa, o disco à margem do curto prazo de validade que é corrente a maioria das obras discográficas atingirem nos dias que correm, justificando assim a sua relevância no tempo.

Acompanhando “Rich Friends“, “So Young” ou “Number One” enquanto amostras retiradas do disco por alturas de pré-lançamento “Feel It Still“, o tema de avanço revelado em março passado, recebe agora em estúdio uma belíssima versão acústica – apesar da textura das diversas camadas e a conjugação dos instrumentos enganar bastante bem -, mantém o groove em altas de forma ligeiramente mais suave que o original. Woodstock foi editado no dia 16 de junho pela Atlantic.