“As Old As A Grave” apresenta-nos a Eaves. De supresa, sem se anunciar e sem avisar que um rapaz de vinte e poucos anos pode sem grandes cerimónias atingir o patamar do maravilhoso com esta facilidade. Como se fosse realmente antigo como uma sepultura… de um Buckley (qualquer um deles, é escolher), de um Dylan semi-vivo ou de um Bono mais que morto, mas na era de The Unforgettable Fire.

Arrepiante como este rapaz dá luz e voz à fragilidade, delicadeza e ao mesmo tempo à brutalidade angustiante da natureza humana. No final da canção ouve-se a frase “Father, you’re drunk”… e sabemos que estamos no confessionário.

I grew up in a town where it’s pretty easy to fall into the pace of the place. A lot of hard working people finish their day with drink and lose some ambition in the process, and before they know it a year has gone by and they’ve rarely left the county. The older I get I start to realise that its not a phenomenon. And more and more I find myself trying to avoid the same trappings. It’s an ancient routine of the working class and I guess it’s pretty hard to shake off. As Old As The Grave touches on that and my own dealings with alcoholism.

O EP de estreia sai no final de Outubro pela Canvasclub e deixa um estranho sabor a quero mais! “As Old As A Grave”, “Timber” e “Alone In My Mind” abrem caminho, ao que se espera, ao nascimento de um novo e brilhante singer-songwriter.

alec peterson sig

Related Posts