Com olhos postos no futuro da música portuguesa, a Tracker deslocou-se até à LX Factory com o intuito de testemunhar em primeira mão a apresentação da próxima edição do EDP Live Bands.

O concurso – cuja 4ª edição se inicia agora -, reflecte a intenção da EDP de se posicionar fortemente no panorama da música em Portugal, pondo isto já em prática através de patrocínios em vários eventos. E, tendo em conta os indicativos do ano passado (participaram mais de 300 bandas), a nova edição tem tudo para correr bem.

Para isso, a EDP conta novamente com o apoio da Everything Is New e da Sony Music Portugal, aos quais se juntam em 2017 a revista Sábado, a FNAC, a RTP e a Antena 3. Ao olhar para este conjunto de parceiros estratégicos, surge naturalmente a ideia de que formam uma base sólida para a promoção e divulgação da música dos vencedores, para além da participação na escolha dos mesmos.

EDP Live Bands

Esta ideia foi reforçada na conferência de imprensa, ao mesmo tempo que se notava uma coerência na mensagem central entre os representantes de cada marca, especialmente quando o assunto tocou no grande objetivo do EDP Live Bands: em resumo, e nas palavras de Álvaro Covões, “encontrar os próximos Xutos e Pontapés”. Ora, isto não quer dizer que se pretenda que uma banda atinja o nível de sucesso dos veteranos do rock português, mas sim que este concurso se quer como o primeiro passo de uma longa e frutífera carreira, pondo de lado a ideia de vencer como um “fim”. Nuno Calado, da Antena 3, corroborou, ao explicar que, com o devido trabalho, porque “o rock ‘n’roll não é só glamour”, imagina que uma banda vencedora desta edição poderá estar no topo do panorama nacional (e não só) daqui a 15 ou 20 anos.

Ainda por parte de Álvaro, foi ainda referida a “exportação” do Live Bands para o Brasil, que contou com mais de 1400 (!) inscrições, assim como a primeira experiência da parceria com a FNAC. No fim, foi feito o apelo conjunto à participação de todas as bandas de garagem que queiram dar o “salto para o palco”.

Foi exactamente isso que fizeram os Them Flying Monkeys, vencedores do ano passado que no final da “conversa” nos presentearam com um par de canções de Golden Cap, o disco de estreia com edição marcada para o próximo dia 10. “Halos” e “Molly” foram apresentadas em formato “despido” e com menos um membro do que o habitual, facto que felizmente não as impediu de mostrarem o seu valor. A primeira revelou-se uma montanha russa de bom gosto melódico enquanto “Molly” – o primeiro single –, carregou antes no groove acelerado a puxar para o rock espacial.

Pecando apenas pela curta duração, esta performance surtiu o efeito de aguçar a curiosidade para os concertos que se avizinham ainda este mês (17 em Lisboa, 25 no Porto), mas também para o álbum.

Tal como os sintrenses, os vencedores da edição de 2017 terão a oportunidade de gravar um disco para a Sony, para além do direito a saltarem para os palcos do NOS Alive e Mad Cool Festival de Madrid. O regulamento pode ser visto no site da EDP live bands s e as inscrições realizadas aqui. A grande final está agendada para 19 de maio, novamente na LX Factory. Até lá!

EDP Live Bands