Espacial, cósmico e robotizado. O último remix que fará parte da versão electronicamente revisitada de A Mulher do Fim do Mundo, o último de Elza Soares editado em 2015, atinge com feixes de luminosidade iónica o tema “Luz Vermelha” ao largo de passeios anti-gravitacionais pelas rugas do solo lunar com os seus detalhes desencadeados pelos botões de sintetizadores revestidos a pequenas nuances de IDM e de um techno quasi-ambient de Psilosamples.

“Luz Vermelha” contém originalmente versos que fazem referência ao filme brasileiro O Bandido da Luz Vermelha de 1968 do cineasta Rogério Sganzerla, já desaparecido desde 2004. Em parceria com Érica Alves, Psilosamples concede ao tema uma ambiência feita de órbitas futuristas que junta-se à versão mais funk e trap de Omulu de “A Mulher do Fim do Mundo” para a colecção de remixes que chegará às lojas a 30 de junho.

Elza Soares actua esta noite no Primavera Sound de Barcelona e no próximo sábado dia 10 de junho no NOS Primavera Sound do Porto, no Parque da Cidade. Pelo meio é recebida no Coliseu de Lisboa no dia 03 de Junho.