Se há Primavera que não vacila, é aquela que tem beijado, desde 2012, a relva fresca do Parque da Cidade do Porto, mesmo à beirinha do Douro. O som da Primavera, esse, não se engana a despontar na data prometida pelo calendário das estações. O NOS Primavera Sound, a congénere portuguesa do festival que, anos antes, dava já música a rodos em Barcelona, sucede-se, como sempre tem acontecido, no fim-de-semana seguinte ao evento da capital catalã, e porque com ele partilha alguns dos nomes do cartaz, os festivaleiros mais curiosos têm sempre a oportunidade de espreitar algumas das actuações e levantar um pouco do véu dos momentos que encheram o Parc del Fòrum.

Um dos nomes que transitam do cartaz calatão para o cartaz lusitano é Father John Misty, que renegando a um merecido descanso depois de ter percorrido o mundo a levar Pure Comedy a (quase) todo o lado, o disco que editou em 2017 e que o trouxe ao Coliseu de Lisboa em Novembro do ano passado, abriu caminho a uma nova aventura discográfica contida em God’s Favourite Costumer, lançado a 1 de Junho deste ano, precisamente no mesmo dia em que subiu ao palco num belíssimo final de tarde banhado pela brisa mediterrânica.

Num set de 12 canções, discorrido num final de tarde em que o sol ia já em descida acentuada pelo horizonte, J. Tillman arrancou da viola alguns clássicos como “Only Son Of The Ladiesman” – do álbum de estreia, Fear Fun, de 2012 -, aos quais juntou um pouco do olhar crítico de Pure Comedy e outro tanto da mais recente obra criativa do ex-Fleet Foxes, representada na primeira pessoa em “Mr. Tillman”. Em baixo, o concerto completo no Primavera Sound num set de 50 minutos. Para desvendar a tempo da actuação de Father John Misty, já daqui a 2 dias, a 7 de Junho, no dia primeiro do NOS Primavera Sound.