Dizem que o imaginário da folk tem uma extensa teia de relações em comum com o cenário que circunda os ambientes country, e não é difícil perceber porquê: ambos os géneros derivam, em sentido lato, dos campos de amendoim, dos horizontes largos e sóis inesgotáveis, da casa solitária que se avista de quando em vez, das pick ups ferrugentas e dos chapéus de cowboy de abas espaçosas. E tendo em conta as afinidades, também não se estranha que tantos artistas folk, indie folk e alt folk e seus derivados se tenham já aventuraram além fronteiras e calcorreado territórios mais ou menos puristas mas sempre alicerçados nos domínios do country.

Father John Misty passa agora para o lado de lá da barricada – quiçá, na companhia de umas botas de esporas estreladas e um bolo tie -, e assume o papel de baladeiro cowboy com uma versão country para “Pure Comedy”, o tema-título do seu último disco e aquele que trará a Lisboa já em finais de novembro. Com uma reinterpretação não só nas linhas sonoras como também do título – esta versão da canção passa a chamar-se “Pure Country” -, J. Tillman redesenha a melodia original e coloca os riffs do original nas mãos de uma steel guitar e de percursão e baixo típicos das baladas country que costumam servir de música de fundo para conversas de saloon por entre várias rodadas de whiskey, cerveja e charuto.

Pure Comedy foi editado pela Sub Pop no dia 7 de abril deste ano e será a razão principal da vinda de J. Tillman a Lisboa no dia 20 de novembro para um concerto no Coliseu de Lisboa.

Lê também: Crise existencial ou a salvação da humanidade? Father John Misty oferece uma perspectiva maior em Pure Comedy