Precisar, precisar, se calhar não precisamos, mas é verdadeiramente tempo bem investido aquele que se debruça sobre os Fleet Foxes e nas suas canções. Crack-Up é o terceiro e próximo catálogo de músicas melancólicas e nostálgicas banhadas a uma folk pintada em horizontes a perder de vista que chega dia 16 de junho pela mão da Nonesuch para destronar um reinado de seis anos de Helplessness Blues, o último álbum a ter a presença de Josh Tillman.

Do novo registo de estúdio, os rapazes de Seattle revelam agora o terceiro manual de bem sonhar discorrido ao longo de “If You Need To, Keep Time On Me”, depois de “Third of May / Ōdaigah“, o tema de avanço, e “Fool’s Errand”, uma canção submersa em ecos que se embalam suavemente em cordas acústicas e em teclas de piano que começam esparsas e tímidas e que crescem em cascatas fugazes. Na capa uma foto de Hiroshi Hamaya intitulada “Peaks of Takachiho Volcano”, tirada em Kagoshima-Miyazaki, no Japão em 1964. Horishi é também responsável pela capa do disco.

Os Fleet Foxes trazem o novo disco ao Palco Heineken do NOS Alive já daqui a um mês, a 8 de julho.