Já ninguém entende muito bem o que se passa no mundo de Ninja e Yolandi Visser – se alguma vez. Era suposto os Die Antwoord terem posto um tijolo sobre o projecto que há quase uma década se tem infiltrado sorrateiramente nos pesadelos de alguns e incentivado o desarranjo de tantos outros algo que, segundo os próprios, iria acontecer assim que The Book Of Zef – anunciado como o derradeiro derrame de rap-rave-trashy-zef-whatever -, soltasse em setembro mais uma valente dose de bizarria para o mundo.

Sucedeu-se uma “Love Drug” em maio – aparentemente um dos singles para o disco -, como também os registos instrumentais Made By God Chapter I, II e II no verão. Mas o dia 30 de setembro virou e o caos de Zef ficou-se alcovitado algures num qualquer covil cheio de demónios, aberrações, possessões e outras delícias do género, porque do tal disco – ou até mesmo da banda -, não mais se ouviu falar.

Até agora. Descrentes os que achavam que já tudo se tinha visto e ouvido na galáxia Die Antwoord. Num novo upload feio para o YouTube – onde a banda vai de quando em vez deixando algumas pistas de que ainda habitam neste mundo -, Ninja limpa a garganta como se fosse entoar a ária mais sublime de Verdi e arremessa com um poema doce, delicado e cheio de amor universal em “Fuck Everyone (sung in the bathroom)” com o atrativo especial de ser cantado a cappella… na casa de banho.

Disparando f#%k e s#%t a torto e a direito e em todas as direcções, como já é a imagem de marca dos sul-africanos, a nova canção é um exemplar perfeito da dinastia e do legado que os Die Antwoord deixarão ao mundo para as gerações vindouras. Mais novidades? Não Temos. Talvez nem eles. Keep watching this space.