Os The Orwells não enganam. A nostalgia é a mãe de todas as canções e a positividade fica arrumada entre as cordas das guitarras rasgadas e sorridentes – sim, já que pelos títulos dos discos da banda norte-americana, a tragédia deve andar sempre por perto. Remember When de 2012, Disgraceland de 2014 e o ainda super fresquinho, Terrible Human Beings, lançado há cerca de uma semana, formam a tríade de álbuns dos rapazes de Chicago inspirados musicalmente pelos ecos dos Pixies e dos Built To Spill, e alinhados nas fileiras de uma nova geração de gente amante de guitarras altas e cortantes como os Fidlar, Wavves, Surfer Blood e White Reaper.

Os The Orwells são a mais recente adição ao cartaz do 23º Super Bock e fica desde já prometida uma horinha de punk, pop, noise e alegria teen com músicas tão marcantes como “Black Francis” – só para quem tenha dúvidas da inspiração maior dos The Orwells -, “Hippie Soldier”, “Dirty Sheets” ou “Mallrats (La La La)”. God bless guitarras altas junto ao Tejo! Esta é “Let It Burn” de Disgraceland e um bom exemplo do que se pode esperar da pandilha Orwelliana no dia 13 de julho.