Habits - Unselves In Arrival
80%Overall Score

Oh god, saudades disto, deste tipo de som… um motor que nos tenta fugir e ao mesmo tempo empurrar. E tudo começa com o “esplendor do pânico”. No entanto, o roncar do motor vai sendo gerido até ao final do álbum com a garantia que se chega ao fim, para no final haver o suspiro de missão cumprida.

Este album é uma daquelas corridas de F1 que têm tudo para ser emocionantes. Depois de 2 dias de qualificação, eis que surge o momento de apagar o sinal vermelho. E ele apaga-se e 26 motores roncam para ocuparem a melhor posição na primeira travagem para a primeira curva, e essa curva dita logo o fim da corrida para 3 pilotos. O 4º piloto fica de fora uns metros à frente, por furar um pneu devido aos destroços deixados pelos outros 3, mas a corrida continua e o que parece ser uma luta titanica entre os 4 primeiros logo na primeira volta, não provoca mais nada senão atenção, pois nunca há troca de lugares, só o pisar mais maroto de um ou outro corrector. A última curva é feita e a fila de pilotos continua compacta. Uns mostram-se na recta, mas nunca se ultrapassam e é assim a história da primeira volta.

O curioso desta corrida são os tempos (e sua evolução) por volta e por piloto. Até o 14º lugar consegue algumas voltas bem surpreendentes, o ritmo das primeiras voltas é elevado e todos os pilotos são lembrados que têm que pensar em gerir, pois algo pode não aguentar e chegar ao fim. Entretanto os 6 primeiros cavam já um poço interessante entre os restantes e pelos restantes vão-se formando grupos. Por esta altura, mesmo depois de fazer os “esses”, o 20ª lugar perde a asa traseira e entra em peões sucessivos até aterrar definitivamente na gravilha. As bandeiras amarelas são mostradas, mas o piloto sai bem e nada fica na pista… e a corrida prossegue, pois é altura das primeiras trocas de pneus e a maior emoção é de facto a rapidez das equipas de mecânicos. “Pfui”… impressionante e 2 pilotos não voltam à pista. Nesta fase da corrida ninguém arrisca, apenas se digna a manter o ritmo e não deixar fugir o da frente e também ainda não há dobragens. Estamos quase a meio da corrida e os 10 primeiros continuam exactamente na mesma posição em que começaram. Lá para trás uma pequena escaramuça pôe fora os 2 pilotos de uma mesma equipa, com uma travagem mal calculada. Entretanto os replays em ultra HD vão fazendo a delícia dos espectadores, pois a corrida está serena mas meio tensa e ainda parece promissora.

A segunda metade da corrida começa com o 1º lugar a conseguir uma distância mais confortável em relação ao quarteto que o segue. Depois vem mais um grupo de 4, 1 sozinho que tenta fugir dos 6 seguidores e mais 2 pares distanciados entre si. A emoção parece que vem na altura das dobragens, mas o grupo perseguidor do primeiro anima-se, dando um solavanco à monotonia motora. Uma ou outra curva mais rapada garante ao 3º classificado a melhor volta e na entrada da recta, usando o cone de aspiração, consegue ascender ao 2 lugar mas a negociação para a curva seguinte torna-se difícil e a travagem é queimada, o que o obriga a abrir a trajectória e perder 2 posições, caindo para 4º lugar. Nada disto parece atormentar o 1º lugar, que começa a dobrar sem grande dificuldade. O 18º lugar, depois de ser dobrado, encosta na curva 5 com problemas mecânicos. Mais para meio do pelotão, um piloto faz peão e perde 3 posições, enquanto o 8º entra na box para não voltar. O que vale é que está sol e das bancadas consegue-se ver o mar… A corrida continua e os close ups em super HD vão fazendo as delícias do espectador. O último terço da corrida mostra um 1º lugar já com distância confortável em relação ao par seguidor. Depois vem o 3º isolado e mais atrás um trio. A seguir, aparece o grupo mais animado que fecha os 11 primeiros pois restam 16 ao total.

As boxes do 1º classificado estão meio agitadas e meio ansiosas, uma vitória aqui é muito bom. As outras vão fazendo contas, pois gestão de recursos é a carta importante nesta fase da corrida… Se é para atacar é a altura certa, senão é segurar para manter e o 6º lugar resolve atacar o 5º e durante 3 voltas o duelo é emocionante, com algumas trocas de posição e ultrapassagens pela zona suja da pista. Mas o repentismo (em plena recta e aceleração) do fumo branco a sair da traseira do 6º classificado, arruma com o duelo, o motor morre e o piloto abandona. O fim aproxima-se já com tudo ou quase tudo definido, pois será só uma questão de diferença de tempos. A bandeira de xadrez está na mão do director da corrida e o 1º lugar faz pela última vez as 3 últimas curvas até entrar na recta e passar a linha de meta. A seguir vêm os restantes pilotos (em trios, pares, isolados) que fecham o elenco de 12, sendo que só 8 têm direito a pontos.