Adam Ronchetti e Laura Ward são as duas metades que compõem os Hickory Signals, que trazem o folk doce de Brighton, Reino Unido e confirmam a maravilha que estamos prestes a descobrir. Ambos são multi-instrumentistas e, com este projecto, fabricam um som que une as melodias tecidas pelos vários instrumentos habitualmente presentes no folk e na world music, e as letras de canções infantis ou baladas tradicionais de base celta, como os cânticos de marinheiros ou pescadores.

Cria-se, assim, um efeito atmosférico que parece resgatado da mitologia e que, por agora, se vê pintada no cinema, na televisão ou na literatura, e que plantam, inevitavelmente, belas imagens na mente de cada um.

De pronúncia britânica bem apurada, cantam as águas que correm e evocam céus de cortar a respiração. A voz de Laura debruça-se sobre as flautas que, gradualmente, parecem tornar-se independentes e elevar-se às danças celtas, de raiz irlandesa, em que um druida vai agitando, com uma enorme colher, a poção especial. A imaginação não tem limites.
Entre sopros e cordas, Laura e Adam combinam, entre muitos pulsares intensos, uma melodia que é nitidamente inspirada pela poesia, pela literatura de viagem e pelas histórias de embalar. Entre crónicas de marujos e as memórias de bebés que adormecem nos braços da mãe, não é possível medir-se o tempo. De uma pureza muito franca, o duo permite-se a um som tão cristalino como a água que se derrama de uma fenda na rocha.

O segundo EP do duo, Noise Of The Waters, sai já a 02 de Dezembro e a designação nasceu do poema homónimo de James Joyce. Conta com Ian Carter na produção e com Tom Pryor no violino. Homónimo é também o primeiro tema que dele descobrimos. Escutem com atenção.