Hinds - Leave Me Alone
74%Overall Score

As Hinds são um quarteto espanhol de garage-rock provenientes de Madrid, Espanha. Compostas por Carlotta Cosials e Ana García Perrote (ambas nas vozes e guitarras), Ade Martín (baixo) e Amber Grimbergen (bateria), a banda lançou o seu aguardado primeiro álbum Leave Me Alone. As Hinds já andam na música desde 2011, quando eram uma dupla constituída pelas guitarristas e vocalistas da banda, que se divertiam a tocar covers de artistas como Bob Dylan para os seus amigos e em bares. Em 2014, decidiram investir mais a fundo na sua música e lançaram um EP, chamado Demo, com as músicas “Trippy Gum” e “Bamboo” (esta última faz parte do álbum) através da plataforma Bandcamp; o EP recolheu numerosas críticas positivas de revistas a nível internacional tais como a NME ou o The Guardian. Nesse mesmo ano, as amigas Ade Martín e Amber Grimbergen juntaram-se às festa e a dupla torna-se então num quarteto. Por esta altura, assinavam como Deers mas devido a uma ameaça de um processo judicial por semelhanças com o nome dos canadianos The Dears, passaram a assinar por Hinds .

Gravado em Madrid entre períodos de descanso das extensas tours internacionais protagonizadas pela banda – que por duas vezes actuaram em Portugal -, Leave Me Alone é o primeiro disco da banda madrilena. O hype causado à volta de “Bamboo”, “Castigadas en El Granero” ou “Chili Town” fazia com que o álbum das Hinds fosse um dos mais aguardados para este mês de janeiro; a simplicidade por trás das músicas anteriormente mencionadas, tornam-nas sonantes e agradáveis, ficando ‘presas’ no ouvido. Suscitou, então, curiosidade sobre se esta maneira de a banda criar as suas músicas era propositada ou tudo não passou de um mero acaso.

Leave Me Alone é frenético, irrequieto. “Garden”, primeira faixa do álbum, é um exemplo destes dois adjectivos: a uma sonoridade típica de garage rock (são notórias as influências de Ty Segall), juntam-se as vozes endiabradas de Carlotta Cosials e Ana García Perrote. São estas mesmas vozes que atribuem identidades únicas às faixas do disco, de modo a distinguirem-se e evitar o sentimento de repetição. A conciliação entre estes dois elementos é um dos motivos que permite que as Hinds se destaquem das outras bandas do mesmo género.

“Fat Calmed Kiddos”, “Warts” e “Easy”, seguem a mesma fórmula, revelando-se um conjunto de músicas simples mas eficazes. “Solar Gap” e “And I Will Send Your Flowers Back” distinguem-se como as canções mais desenquadrados deste trabalho – um tema puramente instrumental e uma espécie de balada – que, apesar de tentarem sobressair, acabam por atrasar a progressão do mesmo. “San Diego” arrecada o prémio de ‘a melhor do álbum’ com os seus refrões animados e de fácil memorização.

A ingenuidade e despreocupação por trás de Leave Me Alone é a chave do seu sucesso. A simplicidade com que as Hinds compõe as suas músicas representa a tenra idade das integrantes da banda e a sua pouca experiência de composição o que, por esse mesmo motivo, permitiu que alcançassem o estatuto de “promessa” no panorama de música indie, tanto a nível espanhol como internacional. Estas muchachas sabem o que estão a fazer, e nós cá estaremos para as ver crescer.