Encaminhava-se o ano de 2017 para o seu final, quando os Interpol começavam a partilhar através das suas redes sociais fotos com indícios misteriosos do que se começou automaticamente a especular-se ser os primeiros passos para o regresso da banda norte-americana aos discos.

Depois de El Pintor, lançado em 2014, ter cruzado a fronteira dos três anos de edição e de, desde praticamente aí, Paul Banks, Sam Fogarino e Daniel Kessler iniciarem uma longa jornada de celebração dos 15 anos de Turn On The Bright Lights, o disco primeiro de uma sequência de cinco, abria-se assim um período de apostas sobre o tempo que iria decorrer até a banda oficializar o novo trabalho.

Essa sequência de cinco álbuns deixa de o ser já hoje, com o anúncio público, transmitido ao vivo pelas redes sociais, da edição do sexto longa-duração dos nova-iorquinos. Todas as incertezas das quais dávamos conta em Dezembro passado são agora desmistificadas num evento, decorrido na Cidade do México, anunciado desde o dia 05 de Junho. Mais uma vez de forma virtual e misteriosa, a banda lançou um evento de Facebook – dias mais tarde partilhado no restante networtking da banda -, com um convite aberto à imprensa e aos fãs para comparecerem hoje no México ou na transmissão em directo que decorreu durante esta tarde. Desde essa altura, um mural azul com coordenadas num prédio mexicano e um leitor de cassetes surgiram em publicações da banda no evento. Tudo para ver aqui.

Marauder é o futuro novo disco dos Interpol e tem data marcada para 24 de Agosto, pela Matador. O trabalho conta com a produção de Dave Fridmann – que produziu Little Dark Age, dos MGMT (ano em grande para o produtor norte-americano), voltando assim a delegar as funções para um elemento externo à banda, algo que não acontecia desde Our Love To Admire de 2007. Segundo Paul Banks, Marauder é

…is a facet of myself. That’s the guy that fucks up friendships and does crazy shit. He taught me a lot, but it’s representative of a persona that’s best left in song. In a way, this album is like giving him a name and putting him to bed.

This record is where I feel touching on real things that have happened to me are exciting and evocative to write about…. I think in the past, I always felt autobiography was too small a thing for me to reference. I feel like now, I’m able to romanticize parts of my own life

O primeiro tema a ganhar vida fora do disco e a abrir as hostilidades é “The Rover”, uma canção rápida e crua com a ultra característica sonoridade da guitarra de Kessler a garantir a base de construção do primeiro single dos Interpol desde “Everything Is Wrong”, de 2015. Artwork, alinhamento e “The Rover” em baixo.

Marauder:

01. If You Really Love Nothing
02. The Rover
03. Complications
04. Flight of Fancy
05. Stay in Touch
06. Interlude 1
07. Mountain Child
08. NYSMAW
09. Surveillance
10. Number 10
11. Party’s Over
12. Interlude 2
13. It Probably Matters