Vai-se chamar American Football e irá sair no auge da estação outonal que tão bem lhes fica. 21 de outubro, mais precisamente, é quando sairá novo material dos ícones de culto do emo mas antes chega-nos “I’ve Been Lost For So Long” para nos mostrar inexoravelmente como o tempo passou por uma essência que ainda se encontra imaculada.

Foram 17 anos desde o lançamento do primeiro, na altura, bastante ignorado disco, e o grupo, agora com a adição de Nate Kinsella no baixo, primo de Mike Kinsella (que também faz música no seu projecto, Owen) lança-se a um regresso que soa muito mais como uma continuação que sempre existiu do que propriamente uma reanimação. A música deste grupo, independentemente das vicissitudes da ingénua adolescência que nela cantam, sempre foi bastante madura: as influências do jazz e os tempos vertiginosos garantiam um corpo muito sólido e altamente influente à jovem alma destes músicos, procurando ir muito além daquilo que era o pop e, sobretudo o rock. Portanto, a pedra sobre a qual agora se trabalha não é propriamente rude.

“I’ve Been Lost For So Long” dá-nos uns American Football que já não são só uns putos amadurecidos para a sua idade, mas antes músicos confiantes e focados. No seu núcleo, a canção é precisamente tudo aquilo que a banda foi no seu primeiro disco (se bem que os sopros ainda estão para aparecer). É uma canção espaçosa e divergente, mas surge com uma focagem mais sólida e discernível, tornando-a menos uma divagação e mais uma peça distinta e singular. De resto, o crescimento passou também pelos instrumentos (e obviamente na voz de Kinsella), menos ansiosos em mostrar que belos e diferentes padrões conseguem desenhar e mais interessados em ser porém confortáveis e potenciarem ainda mais a viagem.

Foram 15 anos que separaram a primeira fase da tão bem recebida reunião. Kinsella continuou na música, Steve Lamos tornou-se um conceituado professor universitário de Inglês com obras publicadas e Steve Holmes tem um trabalho de escritório em Chicago. Independentemente de tudo, a vida apanhou estes homens, outrora jovens universitários, e é isso que “I’ve Been Lost For So Long” representa. São sentimentos de uma sinceridade que, segundo o próprio Kinsella numa entrevista à Pitchfork, são mais facilmente expressos no seio dos American Football. E na verdade, há todo o sentido nessa escolha: está aqui e totalmente presente, a aura que faz o que são os American Football.

Eles próprios dizem, que se gostássemos do primeiro, iríamos adorar este. Por cá, achamos que se está num bom caminho para se encontrar essa paisagem.