Quando um single chega até nós com este grau de maturidade e de enormidade, agregado ao anúncio de um disco de estreia ainda sem data firmada, temos de ficar atentos, muito atentos. Ele é finlandês e chama-se Jaakko Aukusti. Discos só um, o EP Vulcano editado no ano passado e um par de vídeos. Mais este que vos deixamos hoje, “Himalaya”.

Sem sabermos exactamente o que é – mas prontos a tecer considerações e teorias da conspiração em torno do assunto – Jaakko apresenta-se como líder absoluto e incontestável do Warrior Pop. Soa a caleidoscópicas vertigens?! Sim! Soa a algo que serve de banda sonora de um movimento ecologista radical pronto para salvar o mundo?! Sim! E soa também a pop daquela da boa, daquela que os Foster The People, os Passion Pit e os Miike Snow são exímios fazedores mas com aquele extra mágico que vem das entranhas psicadélicas dos MGMT.

Uma rápida passagem pelo facebook de Jaakko e percebemos que estamos perante alguém pronto a criar novos caminhos para a pop. Ao termo Warrior Pop ele junta as categorias de 8bit Conga e Senti Metal e baralha isto tudo. O que é um facto é que tanto o EP como o novo single, que ganhou vídeo agorinha mesmo, são ambos pérolas indie-pop como já não surgiam há algum tempo. Agigantadas, tropicalizantes mesmo sem um toque de etnicidade e excêntricas no formato.

Para já, vamos descobrir este enorme “Himalaya”, uma canção feita de “silence and noise, and ethereal walls of reverb” perfeita para uma “rave in a distant forest” segundo o acusado desta maravilha, Jaako Aukusti.

Apostamos que da Finlândia vem uma já grande certeza: a brisa de frescura e inovação que a indie-pop já andava a precisar.