“Estamos oficialmente esgotados”. Era isto que ouvia quem chegava à porta do Musicbox. À porta do Musicbox ouviam-se, também, os lamentos de muitos que procrastinaram na altura de comprar bilhete e agora se viam na difícil posição de ter que voltar para trás. Desta vez, foram os Sensible Soccers com a sua pronúncia do norte e os britânicos The Comet is Coming que provocaram a enchente em mais uma sessão do Jameson Urban Routes ’16.

Já acostumados a tocar em salas esgotadas na capital em nome próprio, incluindo a própria sala que os acolheria nesta noite, os Sensible Soccers souberam estar à altura das expectativas – estiveram, muito provavelmente acima -, ao darem um concerto que deixou o público literalmente a gritar por mais.

Em concerto, o trio passa a quarteto, assim adquirindo uma capacidade rítmica que não é esperada por quem conheça os vila-condenses apenas em disco. Desde cedo no alinhamento que tal característica foi testemunhada, quer no groove conseguido em “Villa Soledade” ou na percussão de tom africano de “Nunca Mais Me Esquece” que não deixaram ninguém de pés parados.

Nos temas mais longos, como no aclamado “AFG” ou o mais recente “Shampom” e, apesar do ritmo repetitivo, a banda nunca caiu em monotonia, tendo recorrido à tensão progressiva da guitarra e sintetizadores que foram aumentando a voltagem até florescerem em explosões de energia que rompem com a atmosfera e colocaram a audiência em órbita supersónica. Ainda mais notável que isso – e, talvez, um grande factor que tem contibuído para a adoração de que os Sensible Soccers gozam pelo país fora -, é a maneira como a sua música consegue remexer nos cantos mais profundos da alma, na qual desperta um turbilhão melancólico de nostalgia sem necessidade de recorrer à palavra cantada. É assim o poder da música, e estes rapazes usam-no da melhor forma. O tão desejado encore não aconteceu – em contexto de festival, por diferente que seja, o restringimento de tempo deverá ter influenciado esse facto -, mas o que estava ainda para vir não deixaria ninguém desiludido.

Oriundos de Londres – se nos dissessem que era do espaço sideral, também acreditaríamos -, os The Comet Is Coming são um power trio em nada convencionais que incluem nos pseudónimos que adoptam – Danalogue The Conqueror nos sintetizadores, Betamax Killer na bateria e King Shabaka no distintivo saxofone –, o que por eles é descrito como apocalyptic space funk. Ao Musicbox e a Lisboa, estes rapazes vieram mostrar o primeiro longa-duração intitulado Channel The Spirits que regista na sua história uma nomeção para o reputado Mercury Prize. Não foi preciso esperar mais que um par de temas para perceber o tipo de estragos que este cometa faz quando embate na pista: sempre com uma base rítmica sólida, os riffs demoníacos que o rei Shabaka lançou do saxofone puseram toda a gente a mexer como se a sua vida dependesse disso.

E Shabaka – Hutchings de verdadeiro apelido –, foi mesmo rei: foram várias as ocasiões, quando a banda parecia ter atingido já o limite da intensidade humanamente possível de atingir, em que o saxofonista conseguia, através de uma melodia ou simplesmente a acompanhar a percussão, elevar ainda mais o astro sónico que são os The Comet Is Coming. Entre jams cósmicas e groove caracteristicamente funk, o trio protagonizou uma cena que ficará na memória de quem o presenciou: após um breve instante exploratório a desaguar num solo de bateria, Shabaka e Danalogue puseram de lado os respetivos instrumentos e atiraram-se a uma dança carnavalesca como que a absorver a energia do percussionista, antes de voltarem à acção para um dos momentos mais enérgicos da noite. Tão esgotante, que de seguida se fez uma breve pausa para apresentações como alibi para recuperar o fôlego. O resultado foi, mais uma vez, a reação efervescente da plateia.

O descanso foi, no entanto curto, pois a dupla que se seguia não era para menos: primeiro, o riff sujo de “Neon Baby” a explodir num “refrão” incandescente; depois, a loucura de percussão afrobeat que é “Space Carnival” com os sintetizadores esquizofrénicos mais proeminentes ao vivo. A dança desgarrada era inevitável, assim como a vitória dos The Comet Is Coming nesta noite. Não sem voltarem para queimar os últimos cartuchos com um encore a disparar para o céu, antes de uma aterragem perfeitamente coordenada em cadência stop-start. Público mais que satisfeiro aquele que esgotou o Musicbox e mais uma sessão inesquecível neste Jameson Urban Routes ’16.