Everybody Works marcou o ano de 2017 como um dos discos de estreia mais estimulantes, colocando Melina Duterte na linha da frente das novas escritoras de canções. Fraturante nessa posição, pois ao contrário do que vem sendo mais comum desde há alguns anos, não se sentava de violão na mão a reinventar cancioneiros folk mas sim canções pop doce e indie rock com guitarras de algodão forte mas suave.

E agora está de volta para mais uma voltinha no quarteirão onde vive. O segundo disco de Jay Som chama-se Anak Ko – lê-se Anuhk-Ko e significa “meu filho” em tagalog, um dos idiomas oficiais das Filipinas -,  e mais uma vez vem com a bússola da Polyvinyl Records a apontar para o desnorte. O novo longa-duração foi gravado, produzido e misturado no quarto de Melina e diz o press release que em algumas canções se consegue mesmo ouvir a máquina de lavar e secar que estava perto do quarto dela.

“Superbike” é o primeiro single retirado do segundo longa-duração de Jay Som e vem muito bem acompanhado de um vídeo tão ou mais (na verdade, bem mais caseiro) do que a música que lhe dá som. Sobre o novo tema, Jay diz que é o ponto óptimo entre os Cocteau Twins e a Alanis Morrissete, letting loose over swirling shoegaze.

I came up with the vocal melody while chopping onions during a rare snowstorm in Joshua Tree, definitely one of my favorite memories from making the album.

Do quarto para o mundo, Anak Ko sai a 23 de Agosto.

Anak Ko

01. If You Want It
02. Superbike
03. Peace Out
04. Devotion
05. Nighttime Drive
06. Tenderness
07. Anak Ko
08. Crown
09. Get Well

Jay Som - Anak Ko

Jay Som – Anak Ko