Aludem à clássica companhia de entretenimento, mas a verdade é que esta banda não é nenhuma brincadeira. Vêm da Noruega e preparam-se para uma residência de quatro datas por Portugal. Os Ich Bin N!ntendo estão prontos para trazer toda a sua estranheza escandinava nos próximos dias 21 (Lisboa, Lusitano Clube), 22 (Parede, SMUP), 23 (Porto, Cave 45) e 24 (Barcelos, Milhões de Festa).

Industriais, apocalípticos e extremamente sufocantes, os três jovem noruegueses fazem o seu som de violenta dissonância, uma densa parede de som a alto volume que cobre e trepa pelos ouvidos em negra paranóia. Erradicados numa conduta que se encontra muito com o free jazz, os Ich Bin N!ntendo pintam as suas telas das trevas através de rasgos pesados de improvisação onde as baterias secas e impiedosas formulam ritmos quadrados, preparados para receber tempestuosos e assíncronos riffs de guitarra, tão confortáveis nas experimentações avant-garde como nos géneros mais extremos da música pesada.

O grupo traz consigo o mais recente disco, Lykke, lançado este ano, que continua a tendência da banda em explorar as paisagens mais expansivas saídas das suas jams e testemunha já a maturação de um som ainda selvagem e extremamente perigoso. Ainda assim, espere-se por mais do que uma ou duas cartadas vindas de fora do baralho e jogadas por quem não tem respeito pelas regras.

Em baixo, o videoclip para o mais recente single, “Growth”.