O nome Demdike Stare pode não despertar de imediato grandes reacções fora do circuito restrito do industrial, da experimentação e do dark ambient, mas se lhes colocarmos o nome de Jehnny Beth das Savages ao lado, com certeza vai automaticamente despertar um foco mais abrangente de atenção. E como é merecida a atenção.

Fundados em 2009 em Manchester – local mais que inspirador para ambiências maquinais, desesperantes e claustrofóbicas – os Demdike Stare são um duo composto pelo produtor Miles Whittaker e DJ Sean Canty, dois nomes que dizendo pouco a quem está fora das fronteiras de Manc, são efectivamente duas influentes figuras na cena underground da cidade e contam até agora com três álbuns: Liberation Through Hearing, Voices of Dust e Wonderland todos editados pela Modern Love Records onde também habita Andy Stott, e uma manta muito própria de noise e percussões pesadas e arrastadas.

Meio ano depois de terem lançado Wonderland, os Demdike Stare avançam com uma colaboração gigantesca com a voz e o rosto primordial das Savages em “Savage Distort”, primeiro original inédito desde o lançamento do terceiro registo. Saindo ambos de alguma forma dos seus campos crepusculares de conforto sonoro, encontramos a banda detentora da pauta original a criar uma opereta electrónica de semblante creepy pejada de pulsares tribais esporádicos envolvidos em raízes de tecno-ritualísticas e arrastadas tanto pela voz hermética, friamente corrosiva, mecânica e, sim, assustadora de Jehnny Beth.

O vídeo, que dá um preto e branco surrealista ao tema, é uma obra-prima visual estranha e desconfortável. O acompanhamento perfeito para uma canção saída de um conto de terror sem tempo.