A feiticeira norueguesa Jenny Hval, apesar de licenciada por uma universidade da Austrália – onde inclusivamente fez parte da carreira musical -, continua fiel ao feminismo antropológico fundado no emancipador paganismo da sua Noruega natal. E no vídeo para o novo single “Female Vampire” sugere que o vindouro sexto álbum Blood Bitch, que sairá a 30 de Setembro, resulta de uma visceral intensificação daquela fidelidade ao espiritismo escandinavo, numa carreira musical que agora foca o sangue como unificador de fêmeas humanas de gerações diferentes e sobretudo em diferentes condições biológicas e emocionais.

Neste caso, enquanto a canção é mais um exemplar da sofisticada pop electrónica pagã que Jenny Hval murmura e sussurra – às vezes i(nte)rrompida literalmente por histéricos desabafos, como em “Innocence Is Kinky” -, o protagonista é mesmo o novo vídeo para “Female Vampire”! Um austero vídeo conceptual satirizando a machista sexploitation feminina nos filmes de terror dos 70s e 80s) que a também mulher Jenny Berger Myhre, que já tinha trabalhado com Hval em Apocalypse Girl, realizou e filmou com um ‘simples’ iPhone, retratando um encontro do círculo de irmãs espirituais de Jenny Hval – as vampiras, fundidas pelas suas quentes transpirações, e que culmina na visceral celebração daquela fusão…

Enfim, viscoso e potencialmente asqueroso, é o excelente novo vídeo de Jenny Hval, uma impressionista trip pagã em câmara lenta, visualmente impressionante pelo constante piscar ligeiro da câmara do iPhone e impressivamente emocionada por carismáticos grandes planos dos olhares das vampiras – como Hval ensina, “you must keep a steady gaze”. Medo… Mas a curiosidade é irresistível, haha! Descubram.