É fácil perder a sensação de realidade e afundar em pensamentos menos luminosos quando todas as certezas e ritmos diários que se tem nos são arrancados por acontecimentos inesperados, relegando as garantias e as certezas para possíveis estados traumáticos e potenciadores de depressões.

Uma das formas de escape e de luta contra as incertezas que o covid-19 trouxe é manter a mente em paz e serena e outra – para quem tiver o dom -, é criar. Jon Hopkins tem o dom e teve a capacidade de olhar e ver. Daí nasce uma série de música meditacional que arranca com “Singing Bowl (Ascension)”, composição escrita a partir do som de uma taça tibetana, habitualmente usada nos rituais budistas e em terapias alternativas baseadas na vibração e no som. Em baixo está a versão curta, mas o original – disponível no Spotify – tem mais de 20 minutos.

Sobre o nascimento de “Singing Bowl (Ascension)” e da série Meditations que começa agora, Hopkins explica-se assim:

Like so many people I felt pretty paralysed by this situation when it first unfolded. All my plans for the year were cancelled, and everything felt so weird and dreamlike. But gradually I found I wanted to create something – to find peace and perspective through making music, as I have always done.

It felt beautifully pure to just use one acoustic sound source, and no synths. It was liberating to write something without playing anything on a keyboard – to avoid the familiar diatonic scale for the first time, and thus avoid any of my own conditioned playing habits. There was a magic in setting this generative system in motion then just letting the vibrations of this bowl create their own world. I listened to harmonics layering on top of harmonics for hours and was transported.

Por agora o tema está também numa playlist de Spotify que Jon montou chamada Quiet e que pode ser ouvida e seguida aqui.