Aaron e Bryce Dessner dos The National parecem não fazer tensões de se refugiar exclusivamente sob a alçada da sua nave-mãe, dando o seu cunho pessoal a uma panóplia infindável de projectos paralelos. O mesmo acontece com Justin Vernon, que demonstra também uma predilecção especial por se envolver em variadíssimas criações artísticas fora da insígnia Bon Iver, principal responsável pela sua consagração, e deixar uma marca indelével por onde passa, sendo uma espécie de Midas de toda a música de pendor mais alternativo da actualidade.

Imagine-se agora que os três se juntam e com eles colaboram mais de 160 artistas. Foi precisamente isso que aconteceu, nascendo assim uma plataforma de streaming a que denominaram de PEOPLE. O mesmo colectivo de artistas integra um grupo de partilha e criatividade no âmbito do qual podem enviar as suas demos e composições, estando previsto integrarem o cartaz, numa performance com a duração de uma semana, do PEOPLE Festival (conhecido anteriormente como Michaelberger Music Festival) que volta a ter lugar no Funkhaus, em Berlim, com uma residência artística a decorrer entre os dias 12 e 20 de Agosto e actuações públicas a 18 e 19.

Durante o dia de ontem (6 de junho), o novo projecto de Aaron e Bryce Dessner com Justin Vernon surgiu sob forma de uma plataforma online que pretende reunir e partilhar as obras destes artistas, maioritariamente composições musicais, como é referido na página oficial do colectivo:

We are a steadily growing group of artists, freely creating and sharing our work with each other and everyone. (…) We call it PEOPLE. It was born of a wish to establish an independent and nurturing space in which to make work (generally around music) that is collaborative, spontaneous and expressive in nature and where all unnecessary distractions or obstacles that get in the way are removed.

Em entrevista concedida ao jornal britânico The Guardian durante o dia de ontem pelos três criadores do projecto, Bryce Dessner confessou que este será um espaço para fazer respirar aquelas canções que não se inserem em mais lado nenhum:

Take a band that releases 10 songs on a record. What about the other 30 songs they didn’t release? What about the way those songs changed? What about the out-takes? All that stuff is fascinating, but it doesn’t have a place where it can live. Hopefully this will be an environment where new types of music, new types of collaboration can pop up that don’t fit in with a standard release.

Entre todas as obras partilhadas no novo site, aparecem três novas canções com a assinatura dos Red Bird Hollow, projecto paralelo dos irmãos Dessner que gravaram as canções em quartos de hotel um pouco por todo o mundo enquanto se encontravam em tour com os The National – e que há precisamente um ano revelavam as primeiras amostras sonoras.

E como se isso não bastasse, é apresentada também uma espécie de super-banda que reúne Justin Vernon, Aaron Dessner, Phoebe Bridgers, Lisa Hannigan, Nico Muhly e Richard Reed Parry, multi-instrumentista e membro dos Arcade Fire. Esse novo projecto de nome Big Red Machine, e um dos colectivos principais que impulsionaram a plataforma PEOPLE, lançou no dia 5 de junho um EP homónimo que conta com quatro temas inéditos: “Forest Green”, “Lyla”, “Gratitude” e “Hymnostic”. Podem ouvir todos aqui.

E como não há duas sem três, no site pode-se encontrar também um conjunto de 9 temas intitulado Songs Without Words, uma espécie de álbum lado B do EP que contém recortes instrumentais das gravações de praticamente todos os álbuns dos The National. Para os mais curiosos e interessados, os artistas envolvidos neste projecto decidiram incluir em praticamente todas as músicas pequenas explicações ou descrições da obra.

Há cerca de uma semana, Justin Vernon tweetou uma lista contendo aquilo que seriam músicas novas e colaborações a existir neste projecto. De entre elas, destacam-se as duas composições do próprio Justin, “Shittiest Day In American History” e “Thoughts On People 1”. O tweet mostrava ainda várias colaborações que se vieram a confirmar, bem como a descrição para uma imagem “music incoming #37d03d”, interpretada pela Pitchfork como sendo uma mixtape que estaria a caminho e a existir no âmbito da PEOPLE.

No site oficial, consta também uma cover de “Memories”, original de 1977 de Leonard Cohen, a que Sufjan Stevens empresta a voz, e que pode ser ouvida em baixo.