Há um espanta-espíritos que dança livremente na varanda ao sabor da brisa macia e nocturna de verão que o luar faz abrir, num sopro delicado e leve como se chovessem em câmara lenta purpurinas de mil cores a partir de um céu já negro pela noite. O corpo ajusta-se ao ritmo lento, à tranquilidade quando, sem aviso, a paisagem muda numa transfiguração cénica que nos coloca no centro de uma floresta húmida e densa, apenas trespassada por escassos feixes de luz que iluminam o pó do ar que vai voando e vai descendo até ao monte de terra gélida e ensopada que cobre o chão.

Comum a ambos os cenários, a força da gravidade sonhadora ora minimalista e serena, ora cheia e tempestuosa de “Leave In Silence” com quem se toma por companhia numa viagem que atravessa as várias estações do ano num império supremo de chillwave, down-tempo e electrónica, que começa nos microrganismos e nas partículas mais ínfimas para terminar cinco minutos depois flutuando na imensidão do cosmos. O novo tema dos Keep Shelly In Athens dobra-se no repetição paradoxal entre um sossego imperturbável e etéreo e uma tensão sibilante e diluviana propagada pela voz quasi-80s-retro num espectro sonoro ligeiramente angustiado de Jessica Bell, a australiana que veio substituir Myrtha nas linhas vocais.

“Leave In Silence” é a primeira faixa retirada de Philokalia, o próximo álbum dos Keep Shelly In Athens que tem edição a 29 de setembro pela sua própria label, a Athenian Aura Recordings.