Deste lado do planeta o dia iria ainda demorar mais algumas horas a chegar mas lá, na Austrália, o calendário marcava já 31 de Dezembro de 2017. Os King Gizzard And The Lizard Wizard deixavam o prometido quinto disco do ano para os instantes finais do mês e editavam Gumboot Soup, cumprindo assim a meta de lançar uma mão cheia de registos em 12 meses.

Depois de terem partilhado os temas “Greenhouse Heat Death”, “The Last Oasis”, “Beginners Luck” e “All Is Known” ao longo do mês passado, e os álbuns Flying Microtonal Banana em Fevereiro, Murder of the Universe em Junho, Sketches of Brunswick East em Agosto e Polygondwanaland em Novembro – que a banda ofereceu aos fãs para fazerem literalmente as suas próprias edições -, o último disco da maratona que os aussies se propuseram fazer ao longo do ano que terminou chegava ao final.

Gumboot Soup, é o 13º longa-duração dos Gizzies e a quinta peça de um puzzle maior que foi sendo construído ao longo de 12 meses. Um disco, editado via ATO/Flightless como todos os registos anteriores deste ano, de reafirmação dos australianos enquanto expoente máximo do psicadelismo actual que se  recusa a ajeitar-se de forma confortável aos ditames do género, percorrendo os campos do jazz, da soul, do metal clássico, do rock alternativo de noventas e das canções de paz e amor dos anos 60.