Lee Ranaldo & Raül Refree reinventam de forma experimental os 'Names of North End Women'
95%Overall Score

Coisas que acontecem sem querer. Name of North End Women é um disco acidental entre Lee Ranaldo e o produtor e músico espanhol Raül Refree. Sim, o mesmo espanhol que meteu o dedo, tanto como produtor como instrumentista, na Rosália, na Luísa Sobral, na Silvia Pérez Cruz, na Lina ou na La Mala Rodríguez, só para manter a coisa dentro das fronteiras ibéricas.

E se de todas as outras as vezes o fez, desta feita voltou ao mesmo. Raül é, ultimamente, incapaz de deixar as coisas como estão e de se manter sossegado no seu papel de produtor amestrado. E ainda bem! Ranaldo convidou novamente o catalão para produzir o sucessor de Electric Trim de 2017, chegando a estúdio com um disco pronto a gravar, mas nada correu como nas sessões que deram origem tanto ao disco anterior como a Acoustic Dust, de 2014. A impressão digital de Raül foi tão natural e viva que o que o ex-Sonic Youth levou para o estúdio passou a ser apenas um esboço do que se tornaria Names of North End Women, levando Lee a trazer o espanhol para a lombada do álbum como co-autor.

2020 é provavelmente a casa do disco maior de Lee Ranaldo a solo, um disco em que o experimentalismo comum na sua obra e na forma como desenrola ideias de dentro da sua guitarra ganha um sopro de vida que nem ele, de certeza, pensava poder precisar. A guitarra passa a ser um adorno e a música do norte-americano ganha uma vida mais que nova. Elementos ritualísticos pagãos espanhóis, ritmos e instrumentos de percussão africanos, spoken word, electrónica processada, linhas de ruído industrial, um post-rock digital para dançar corpo a corpo? Check! Há lá de tudo a dar nome a estas mulheres do norte.

Depois de ter dado cabo do flamenco ao lado da Rosalía e do fado ao lado da Lina, Raül Refree agora rebentou com o que vinha a ser a carreira toda de Lee Ranaldo nas últimas 4 décadas. Deus abençoe a destruição maravilhosa que tem vindo a fazer nos últimos anos.