Há males que vêm por bem. Final de 2012 e uma tour pela Europa terminada levam Lia a um aeroporto em França; a história não nos diz qual. Voo cancelado, furacão Sandy a devastar a Costa Este dos Estados Unidos e a matar mais de cem pessoas entre NI e NJ. Enquanto se espera aproveita-se e, durante uma semana em casa de uma amiga em Lyon, vão-se escrevendo umas canções… Lia já não volta aos Estados Unidos e decide nessa semana mudar de morada de Brooklyn para França.

Estas canções são a génese do novo e segundo disco de Lia Mice a solo, a ser editado em Outubro. I Love You sai com selo Old Flame Records. Embora se sinta a mesma crueza lo-fi na escrita, composição e gravação dos novos temas, a abordagem sonora à estética que sempre marcou o trabalho de Lia, mantêm-se na categoria dos híbridos. Se durante meia década foi rainha noise em Brooklyn e antes disso nos anos da adolescência atravessou a Austrália em bandas punk e soul, agora na encarnação europeísta e francófona, o groove do ye-ye, as bandas sonoras do cinema francês e as cores de final de dia das Au Revoir Simone pintam de dancefloor friendly esta nova Lia Mice. Adeus à escuridão experimentalista de Happy New Year de 2012. Lia acrescenta:

When I say this project is heavily 60’s influenced, I’m not talking about a production or song writing style, I’m talking about a focus on melody and an obsession with studio experimentation. Because there’s no way this album could have sounded like this if it were recorded prior to now.

alec peterson sig

 

 

Related Posts