Pode ser um chavão e é mesmo, mas não deixa de ser uma perfeita e indubitável verdade: a vida é mesmo aquilo que cada um faz dela. Os Placebo têm usado a vida contada na primeira pessoa como matéria-prima para uma carreira de vinte anos que, na verdade serão alguns mais, uma vida que tem vindo a ser celebrada desde 2016 com uma tour extensa que passou em Lisboa e Gondomar no princípio de maio justamente com dois discos, a retrospectiva em jeito de Best Of, A Place For Us To Dream, e Life’s What You Make It EP. 

É precisamente “Life’s What You Make It”, o tema que dá nome ao EP, que devolve Brian Molko e Stefan Olsdal aos vídeos. A cover – actividade mais que conhecida dos Placebo -, é um original dos Talk Talk de Mark Hollis e serve de mensageiro visual para uma realidade que vive entre o esquecida e o escondida das massas consumidoras de tecnologia a.k.a. todos nós. O vídeo realizado por Sasha Rainbow é uma crua e bruta viagem a Agbogbloshie no Ghana e aos seus habitantes, uma cidade transformada em cemitério de tecnologia onde crianças e jovens destroem telemóveis e outros aparelhos eléctricos para retirar e reaproveitar os metais com que são feitos.

Lê também: Vinte anos e um sítio para sonhar: Placebo ao vivo no Coliseu de Lisboa

Um documento impressionante sobre quilómetros e quilómetros de terra escondida por entre restos de maquinaria e fumo negro onde animais e humanos vivem a vida que fizeram para eles, mantendo aparentemente o que parece ser uma normalidade triste e decadente. Os Placebo continuam assim a manter a nova direcção de discurso de awareness política e social.

Afinal nem sempre a vida é o que fazemos dela…

http://etb.crm-umusic.net/etb/medias/newsletters/14994/images/placebo.png?t=1496329890327