Uma das maiores batalhas ambientais de sempre da história #savethearctic. Quase ninguém ouviu falar deste acontecimento, deste único e histórico acontecimento. Porquê? Porque foi abafado pela comunicação social, como tantos outros casos ocultados.

The arctic is not a desert, but a place full of life – Ludovico Einaudi

Que o sol queima, que o gelo derrete, todos nós o sabemos. Mas quantas são as pessoas que realmente lutam para a protecção de alguma coisa? Pois bem, no dia 19 de Junho de 2016 foi assinado um apelo por mais de 8 milhões de pessoas por todo o mundo com o objectivo de alertar para a necessidade de preservar e cuidar do Oceano Ártico. Foi no dia 19 de Junho que se fez história: o conceituado compositor italiano, Ludovico Einaudi, presenteou o glaciar Wahlenbergbreen – arquipélago de Svalbard, território sob jurisdição da Noruega -, com uma interpretação inédita: “Elegy of the Arctic”.

O músico viajou até à região polar a bordo do navio Arctic Sunrise, propriedade da organização ambiental não governamental, Green Peace, flutuando numa plataforma que o fez estar literalmente no meio do gelo. É inimaginável a sensação que este pianista teve ao tocar a sua peça musical no seu piano de cauda naquele ambiente mágico, dando voz a milhões de pessoas que, tal como o compositor, batalham por um mundo melhor, contra a exploração desenfreada. Ludovico confessa-nos:

It was an incredible experience…I could see with my own eyes the purity and fragility of this wonderful area. And interpret my composition inspired by the beauty of the Arctic and the threats that suffer as a result of global warming. We need to understand the importance of the Arctic to protect it before it’s too late.

A Green Peace lidera esta luta constante contra a exploração insustentável, contra a indústria do petróleo, das pescas excessivas e destrutivas… Luta contra as obsessões constantes de sugar o planeta, de nos sugarmos a nós próprios.

Este mini-concerto tem ainda outras intenções subjacentes: alertar as demais pessoas para as alterações climáticas: problemática que ouvimos quase todos os dias, mas que quase sempre é esquecida ou é tida como impossível de ajudar, ou até mesmo de mudar alguma coisa a esse respeito. Pois bem… nada é impossível, e no ano passado com a insistência e esforço da Green Peace, de milhares de pessoas e outras organizações ambientais, foi possível o impedimento de operações de exploração petrolífera, pela parte da empresa Royal Dutch Shell – empresa multinacional petrolífera Anglo-Holandesa.

Esta colaboração do músico Ludovico Einaudi com a organização Green Peace, tem como objectivo primordial pressionar a Convenção para a Proteção do Meio Marinho do Atlântico Nordeste (Convenção OSPAR – Cooperação para proteger o ambiente marinho do Atlântico Nordeste – 15 governos e a UE) a implementar medidas de protecção e conservação do Oceano Ártico. A Convenção vai-se reunir esta sexta-feira (24 de Junho de 2016) em Tenerife, Espanha, e a Greenpeace e os seus apoiantes por todo mundo reclamam uma nova estratégia de defender o equilíbrio da região. De acordo com a Green Peace, esta área está cada vez mais sensível.

O Ártico ficou a salvo, mas com um limite de vida, já que a suspensão dos planos pela parte da empresa foi apenas de dois anos. O Oceano Ártico não está de todo, a salvo. É essencial exigirmos políticas de longo prazo. A luta continuo aberta. O Ártico é um dos muitos locais únicos e especiais do nosso planeta. Abrangendo oito países, oferece um habitat efectivamente incrível para a vida selvagem que nele AINDA sobrevive. Assim, este lugar gelado é agora, o campo de batalha para uma das lutas mais importantes da história ambiental.

Infelizmente, a Noruega, Dinamarca e Islândia não parecem compreender a situação débil do território, desejosos de impedir a execução desta demanda internacional, por razões de interesses corporativos, pois claro! (#MONEY TALKS LOUDER)

Se isto não nos fizer estremecer, se não nos fizer tremer de alegria e esperança. Então o que fará?