As histórias de Matt Berninger já se sabe que não são dele, que não são as nossas: são de tudo e de todos os que o rodeiam, são as que reconhecemos próximas ao real que escorre em nosso redor. São reais, ainda que sem rostos; são pessoais, ainda que transmissíveis canção a canção, disco a disco. As dores são reconhecíveis de tanto baterem nas portas dos apartamentos e das casas onde vivemos, onde vivem outras histórias que reconhecemos, mesmo não sendo as nossas. Podemos não saber quem é o John Cheever no poema de Matt na nova canção dos The National, mas sabemos ao que sabe a dor da morte, da partida, da culpa e do atirar as culpas ao rosto da indiferença.

“Carin at the Liquor Store”, o terceiro tema a sair do futuro sétimo longa-duração dos norte-americanos, é mais uma dessas histórias. Na verdade, é e não é: o novo tema dos The National existe há mais tempo que as palavras de Berninger, uma canção que existia antes de ser uma canção, antes de ganhar uma nova narrativa e antes de ganhar várias ligações emocionais tanto a Aaron Dessner como a Matt. A base sonora foi escrita de forma inconsciente, inspirada numa performance de uma peça de um compositor islandês que Dessner assistiu num museu e, mais tarde, fica ligada ao falecimento em 2016 da mãe da mulher de Aaron, vítima de um cancro. Esta foi uma das últimas músicas que Aaron lhe tocou na casa de repouso onde vivia antes de morrer, e depois tocou-a de novo no funeral a pedido da família. Entretanto, a canção transitou para o songbook dos The National, e Berninger coloca o nome da sua mulher no título, revertendo o sentido emocional para si e para as suas histórias. Uma música particularmente emotiva e mediaticamente pessoal um pouco contra tudo o que habitualmente rodeia as temáticas sem rosto da obra dos The National.

Enquanto Sleep Well Beast não chega – o lançamento está programado para dia 08 de setembro pela 4AD -, a banda dos irmão Dessner e Devendorf e de Berninger já esgotaram praticamente todas as datas da tour de promoção que começa a 12 de agosto na Dinamarca com uma data isolada, para ser novamente retomada no mês seguinte, prolongando-se depois pelo menos até dezembro. O concerto de Lisboa no dia 28 de outubro é uma das datas com a bilheteira encerrada já há muito tempo. Entretanto, os The National revelaram alguns dos nomes que os irão acompanhar no papel de banda de suporte pelos Estados Unidos, estando em falta as confirmações para o território europeu. Daughter, Local Natives, This Is The Kit (que os acompanharam em 2013 na MEO Area) e Adia Victoria foram as escolhidas.

O novo vídeo novamente realizado por Casey Reas e gravado pelo La Blogothèque mantém a linha visual dos anteriores “The System Only Dreams In Total Darkness” e “Guilty Party”, arrancando silhuetas monocromáticas e maioritariamente em tons de azul captadas no Long Pond Studio de Aaron em Hudson Valley, New York, ou nas imediações do mesmo, no caso de “Guilty Party. O tema chama a si as memórias que estavam ausentes dos anteriores singles, reclamando a simplicidade em detrimento da experimentação adicionada aos elementos sónicos que tornam o som dos The National tão particular reconhecível. “Carin at the Liquor Store” crepita de forma baça, simples e sombria em torno de linhas de piano, das palavras e de um solo de guitarra cambaleante na sua própria tristeza.

So blame it on me
I really don’t care
It’s a foregone conclusion
I’m already seeing stars in the air
It’s a foregone conclusion.