Ainda no rescaldo de mais um tiroteio numa escola norte-americana no dia de São Valentim que fez 17 vítimas mortais de um ataque premeditado por um ex-aluno, expulso por razões disciplinares não especificadas, Mark Kozelek atira-se a mais uma das suas observações e relatos musicados e revela mais um novo tema, “Day In America”. Os motivos podem ser os piores, mas a nova música torna pública a nova colaboração entre Kozelek e Donny McCaslin, o saxofonista de Bowie em Darkstar, e Jim White, baterista dos Dirty Three e Xylouris White, que irá resultar naquele que é o primeiro disco do Senhor Sun Kil Moon/Red House Painters programado para o próximo ano.

Assim sendo, conta-se apenas o segundo mês de 2018 e já se conhecem duas novas músicas – “This Is My Town” e “My Love For You Is Undying” -, que farão parte de um outro disco, em nome próprio, com data de lançamento programada para 11 de Maio. Sabe-se que existem ainda mais dois discos com os Sun Kil Moon planeados serem editados ao longo do ano – um deles apontado para Novembro -, para além de uma banda-sonora para um filme de James Franco, aos quais se acrescenta mais este registo em parceira com os dois músicos. Kozelek e White tinham já assinado um disco colaborativo em 2017, com Ben Boye.

Ao longo de 15 minutos, Mark desenvolve a sua poesia descritiva, que espelha o preciso momento em que tem conhecimento sobre o massacre de Parkland, Florida, e que aconteceu durante as gravações do disco de 2019. “Day In American” descreve de forma bastante pormenorizada os pensamentos tarantinescos sobre o que gostaria de fazer ao autor do atentado. Podem ler em baixo um excerto do texto escrito por Mark nos dias 14 e 15 de Fevereiro passados. O tema está disponível para download gratuito no site dos Sun Kil Moon.

So, anyhow, I came home and I turned on the news
Angry as I always get when these things happen, trying to think of what I could do
To help the cause, to influence people to do what I can do to change gun laws
For starters, I’m going to dedicate a song to the kids from Florida who didn’t live long
Whose families grieve while the rest of the world gets on their phone, and their lives go on
And maybe in this song, I’ll share my own private thoughts
In fact, I think I will
I think they should go Django Unchained on the killer they caught
Hang him upside down, and cut off his balls
Bleed him to death and let him bleed a slow, bloody death
When 17 kids are murdered, you skip due process
I don’t care if he was born into a home full of drug abuse and incest
Or allegedly brainwashed by white supremacists
Whatever the case may be for him, yeah, it’s very sad and unfortunate
But escorting this man from the planet is in everyone’s best interest
When a guy kills 17 kids, dispose of him quick and fast.